Casos de câncer de mama crescem em Alagoas

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Dados são de 2020; apesar do aumento, estado tem a menor quantidade de casos do Nordeste

Foto: divulgação.

Mariane Rambo*

No décimo mês do ano, um movimento internacional busca a conscientização sobre a prevenção e diagnóstico do câncer de mama: o Outubro Rosa. Somente no ano passado, foram registrados 40.514 casos em todo o país. Deste total, 420 foram em Alagoas.

Ainda de acordo com os dados coletados pela Agência Tatu, os números apontam um aumento de casos de 3,7% de 2020 com relação a 2019, quando foram registrados 405 casos. Os dados analisados são do Datasus e foram cruzados com a estimativa populacional feminina do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Levando em consideração a estimativa populacional feminina divulgada pelo IBGE em 2020, os dados revelam uma taxa de 37 casos a cada 100 mil mulheres em todo o país. Em Alagoas, a cada 100 mil mulheres, 24 apresentam câncer de mama, a segunda menor incidência do Nordeste, ficando atrás apenas do Piauí, que tem uma taxa de 22 a cada 100 mil mulheres. 

O Rio Grande do Norte é o estado com a maior incidência de casos de câncer de mama no país, com 62 casos a cada 100 mil mulheres. 

As informações também mostram que, em 2013, Alagoas registrou 446 casos de câncer de mama. Após anos de redução, os números voltaram a subir em 2019 e 2020, quando foram registrados 405 e 420 casos, respectivamente.

Diagnóstico precoce e cuidados

Segundo especialistas, quanto mais cedo for feito o diagnóstico, maiores são as chances de cura, podendo chegar até 95%. Segundo a mastologista Helena Barreto, que trabalha em uma unidade de saúde de Maceió, é fundamental a realização de exames buscando o diagnóstico precoce. “A mamografia é considerada o padrão-ouro para realização do diagnóstico”, explica.

A recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia é que esse exame seja feito anualmente em mulheres acima de 40 anos. Para mulheres abaixo de 40 anos, recomenda-se a ultrassonografia mamária. Além disso, é necessário que as mulheres façam o autoexame nas mamas com frequência.

“Conhecer o próprio corpo é fundamental para o autocuidado em relação ao câncer de mama”, explica a especialista, reforçando que um dos sintomas mais comuns do câncer de mama são nódulos ou massas na região mamária, que podem ser percebidos com o toque. 

Outros sintomas do câncer de mama são:

  • Inchaço de toda ou parte de uma mama, com ou sem nódulo;
  • Irritação ou abaulamento de uma parte da mama;
  • Dor na mama ou mamilo;
  • Inversão do mamilo;
  • Vermelhidão na região;.
  • Espessamento ou retração da pele ou do mamilo;
  • Secreção saindo pelos mamilos;
  • Linfonodos aumentados.

Ao perceber algum desses sintomas, a mulher deve procurar auxílio médico e realizar exames. No caso de diagnóstico positivo, ela será acolhida por uma equipe multidisciplinar, formada por mastologistas, oncologistas, psicólogos, entre outros. O tratamento é adequado de acordo com o caso de cada mulher. “O tratamento é individualizado, levando em consideração diversos aspectos, especialmente a biologia tumoral”, explica a mastologista. 

*Estagiária sob a supervisão da Editoria

DADOS ABERTOS | Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Dados de câncer de mama

Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você

Receba conteúdo gratuito da Tatu diretamente no seu WhatsApp.