1 em cada 4 quilombolas que morreu de Covid-19 era de comunidades do Nordeste

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Alagoas registrou dois óbitos dos 50 óbitos registrados na região

Comunidade quilombola Serrinha dos Cocos, em Senador Rui Palmeira (Foto: Ascom MPF/AL)

Por Agência Tatu

Em todo o Nordeste 50 quilombolas de diferentes comunidades morreram por complicações da Covid-19. Este número representa quase 25% das mortes registradas em todo o país, que foram 207 no total, até a última segunda-feira (22). 

Os dados, analisados pela Agência Tatu, integram o Observatório da Covid-19 nos Quilombos, mantido pela Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ) e pelo Instituto Socioambiental. Eles revelam ainda que Alagoas registrou dois óbitos por Covid-19 de quilombolas, nas cidades de Batalha e Traipu.

O estado conta com 69 comunidades quilombolas, de acordo com levantamento da Gerência de Política Agrária e Fundiária do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas.

Embora não revelem o número de casos confirmados de quilombolas por Covid-19 em cada estado, os dados do Observatório mostram que, até o momento, há 4933 casos confirmados e 1434 sendo monitorados em todo o Brasil.

Confira abaixo o número de mortes por cada estado do Nordeste:

Acompanhe a evolução de óbitos e casos da Covid-19 em Alagoas na nossa plataforma, atualizada em tempo real:

DADOS ABERTOS | Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Covid nas comunidades quilombolas do Nordeste

Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você

Receba conteúdo gratuito da Tatu diretamente no seu WhatsApp.