Principais agressores de vítimas de feminicídio são namorados e ex, aponta estudo

Monitoramento realizado em sete estados do Brasil mostra dados de 2022

Iustração com fundo rosa e imagem de uma mulher se protegendo de um punho. Capa da matéria sobre principais agressores de vítimas de feminicídio.
Compartilhe

Na semana em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher foram divulgados dados que mostram uma situação em que não há o que celebrar. Um estudo realizado em sete estados do Brasil, sendo cinco da região Nordeste, mostra que em mais de 75% dos casos, os agressores das vítimas de feminicídio são cônjuges, namorados ou ex.

Os dados coletados pela Agência Tatu são da Rede de Observatórios da Segurança, que realizou um monitoramento diário de casos de violência contra a mulher nos estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Maranhão, Piauí, São Paulo e Rio de Janeiro, durante o último ano. 

Relação entre vítimas de feminicídio e agressor – 2022

Principais agressores são cônjuges, namorados ou ex, aponta estudo.

De acordo com Elaine Pimentel, professora da Faculdade de Direito de Alagoas, pesquisadora de Ciências Criminais com ênfase em estudos de gênero e coordenadora do Grupo de pesquisa CARMIM Feminismo Jurídico, os números refletem uma triste realidade que acompanha a história das mulheres.

“Esse é um padrão cultural de relacionamento. E é justamente um dos itens da qualificadora do feminicídio, que é a violência letal no contexto das relações domésticas.(...) Então isso reproduz um padrão de relacionamento abusivo e opressor, que identifica a mulher como objeto de desejo na relação, e não como sujeito de um relacionamento de igual para igual.”, relata Elaine Pimentel, que também é doutora em Sociologia.

Quando se trata das principais motivações de feminicídio, brigas (21,74%) e término de relacionamento (14,62%) são as que mais se destacam, após motivos não identificados (38,54%) pelo estudo.

Motivações de feminicídio nos estados monitorados em 2022

Estudo foi realizado na Bahia, Ceará, Pernambuco, Maranhão, Piauí, São Paulo e Rio de Janeiro.

Violência contra a mulher

O estudo também apresentou dados gerais de casos de violência contra a mulher, em que as qualificadoras tentativa de feminicídio e agressão física aparecem juntas com o maior número: 987 casos em 2022, somente nos sete estados monitorados. 

Em seguida, foram registrados 495 casos de feminicídio, 415 casos de homicídio, 282 casos de violência sexual ou estupro, 216 casos de agressão verbal ou ameaça, e ainda, 145 casos de tortura, cárcere privado ou sequestro.

Mudar a realidade que faz ser comum existirem tantos casos de violência contra a mulher é algo difícil e que demanda tempo, principalmente porque é necessário educar a sociedade desde a infância, conforme explica a professora. 

Ilustração com foto da Professora da Ufal Elaine Pimentel e a frase em destaque sobre vítimas de feminicídio: "a gente não muda o feminicídio da noite para o dia, a gente muda isso construindo uma nova cultura de respeito e informando as mulheres".

“É preciso falar sobre esses temas em todos os espaços, desde as crianças muito pequenas, e ensinar o respeito, porque a gente não muda o feminicídio da noite para o dia, a gente muda isso construindo uma nova cultura de respeito e informando as mulheres. Na maior parte dos casos o feminicídio não é a primeira ação, é o resultado de um conjunto de ações opressoras e violentas dentro de relacionamentos ou de estruturas sociais patriarcais. (...) Portanto, fortalecer essa rede de informações e de acolhimento a mulheres em situação de violência é fundamental”, relata Elaine Pimentel.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Colagem em preto e branco de pessoas com baldes e bacias em menção aos domicílios brasileiros sem água encanada

67% dos domicílios brasileiros sem água encanada estão na região Nordeste

Em todo o país, mais de 4,8 milhões de pessoas residem em domicílios sem água canalizada
Capa da matéria "Mais de 285 mil famílias no Nordeste não tem banheiro em suas casas" publicada originalmente na Agência Tatu.

Mais de 285 mil famílias no Nordeste não tem banheiro em suas casas

Maranhão é o estado com maior quantitativo de domicílios sem banheiro em todo o país
pessoas em situação de rua

Nordeste lidera aumento de violência contra pessoas em situação de rua

Somente em AL, mais de 300 pessoas em situação de rua foram mortas nos últimos 11 anos; Segurança Pública de diversos estados não identifica condição de vítimas ou tem dados subnotificados
Ilustração com fundo laranja e o mapa de alagoas ao fundo e uma colagens de cadeiras de escola com um ventilador de teto em cima.

Emergência climática: a cada 10 escolas públicas em AL, 6 não têm climatização

Belém, São Brás e Taquarana são as cidades que menos possuem climatização em sala de aula