Assassinatos aumentam 11% em 2020 em Alagoas

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Maioria dos crimes é cometido contra homens, dos 18 aos 29 anos, em casa ou nas proximidades e por arma de fogo

Foto: Steve Buissinne / Pixabay

Por Graziela França

Em todo o estado foram registrados 1345 crimes letais intencionais, no ano passado, o que representa um aumento de 11,7% em relação a 2019, quando houve 1188 homicídios em Alagoas.

Os dados, coletados pela Agência Tatu, são da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Alagoas (SSP/AL) e englobam os números de homicídio doloso, roubo seguido de morte (latrocínio), lesão corporal, resistência à abordagem policial (que é quando a morte é causada pela polícia) e outros crimes violentos contra a pessoa que resultem em morte.

Mesmo com o aumento em 2020, os números ainda são menores do que os registrados em 2018, quando 1524 pessoas foram vítimas destes tipos de crimes. Veja a quantidade de homicídios mês a mês nos três anos.  

Do total, 92,6% dos homicídios foram contra homens (1.245), enquanto o percentual de mulheres vítimas desses crimes foi de 7,4% (100). A faixa etária com maior número de pessoas assassinadas é de jovens dos 18 aos 29 anos (51,7%) e o instrumento mais utilizado são armas de fogo. A casa da vítima ou imediações e vias públicas são os locais em que mais acontecem esse tipo de crime: 46,3% e 46,2%, respectivamente. 

Em nota, a SSP alegou que o aumento dos casos pode ter acontecido por conta da pandemia da Covid-19, que gerou mudanças em diversas áreas da sociedade. “Em 2020, tivemos um cenário atípico com a pandemia ocasionada pelo Coronavírus, o que desencadeou alterações na dinâmica de atuação em diversas esferas, inclusive na Segurança Pública”, menciona a nota. 

A secretaria afirmou ainda, por meio da nota, que as forças de segurança seguem desenvolvendo ações de combate ao crime, priorizando as regiões mais vulneráveis e com maior incidência criminal.

DADOS ABERTOS | Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você

Receba conteúdo gratuito da Tatu diretamente no seu WhatsApp.