É falso! Município de Apodi não autorizou distribuição de carne de cachorro em creches

Vídeo distorce informação de proposta de vereador do município do Rio Grande do Norte

é fake que carne de cachorro será distribuída em creches
Falso
Compartilhe

Circula nas redes sociais um vídeo que alega que vereadores do município de Apodi, no Rio Grande do Norte, teriam autorizado a distribuição de carne de cachorro em creches e escolas da região. No entanto, esta afirmação é falsa e distorce as informações de um projeto de lei que foi vetado pelo prefeito do município após a confusão gerada pela desinformação.

O que estão dizendo?

As informações falsas foram divulgadas em um vídeo afirmando que a Câmara Municipal de Apodi teria aprovado um projeto de lei que permitiria o abate de animais, especificamente cachorros de rua. 

“A Câmara Municipal de Apodi, que fica no Rio Grande do Norte, aprovou um projeto de lei que autoriza o abate de animais, cachorros em situação de rua. Segundo a propositura do vereador, os animais serão abatidos sob a inspeção sanitária do município e sua carne destinada a creches e unidades escolares”, afirma o vídeo com conteúdo falso.

Oxe, é Fake

Os vereadores de Apodi (RN) não aprovaram projeto que autoriza o consumo de carne de cachorro em creches e escolas. O conteúdo distorce informações do projeto de lei Nº 094/2021, que foi vetado pelo prefeito Alan Silveira (MDB) . Clique aqui e confira o documento na íntegra. O projeto apresentado pelo vereador Charton Rêgo (MDB) diz que a finalidade é estabelecer normas diante da presença de animais “brutos” no perímetro urbano.

O projeto elenca cinco tipos de animais: aqueles cujas características são típicas de criação campestre; que por sua natureza ofereça risco à integridade física dos cidadãos; que, mesmo sendo considerados domésticos, cause prejuízos a terceiros; que possam servir de agentes transmissíveis de patologias e animais vadios.

Entre as medidas propostas, está a de apreensão de animais soltos em vias públicas. Em caso de animais de tutores desconhecidos, a Prefeitura se responsabilizaria em apreender em um local apropriado designado pelo próprio Município. Sendo animais de proprietários conhecidos, os bichos seriam também apreendidos e os tutores notificados. Em caso de reincidência, o responsável seria multado por uma taxa diária enquanto durasse a apreensão.

Abate de animais

O trecho do projeto que trata do abate e distribuição da carne dos animais, propagado de forma distorcida, está no 3º capítulo do projeto, sobre destinação dos animais apreendidos em casos do não comparecimento dos proprietários a partir do prazo de oito dias de apreensão. 

Neste caso, o projeto previa que animais usados para consumo humano, a exemplo de bois, porcos e carneiros, “estando estes em perfeitas condições de saúde, serão abatidos sob inspeção sanitária do município e sua carne destinada às creches e unidades escolares municipais”.

Já no tópico seguinte, o documento informa que “sendo animais cuja carne não seja utilizada para o consumo humano, serão estes doados a pessoas físicas ou jurídicas radicadas fora da zona urbana”. Nesta última opção, se enquadrariam gatos e cachorros, por exemplo.

Os animais sem donos que apresentarem algum tipo de doença, o projeto também determina que esses seriam abatidos e enterrados fora da zona urbana. Em nenhum momento, o projeto diz que carne de cachorro seria distribuída em escolas.

Além disso, o sacrifício de gatos e cachorros só é permitido no Brasil em casos de doenças graves ou enfermidades infectocontagiosas, que coloquem em risco a saúde humana e de outros animais. A lei federal Nº 14.228/2021 também determina que a eutanásia deve ser justificada por laudo técnico. O vereador assegura que o projeto está em consonância com a lei federal.

A discussão e aprovação unânime do projeto aconteceram na sessão ordinária do dia 14 de setembro de 2023. O vídeo está disponível no canal oficial da Câmara Municipal de Apodi. Nele, a partir de cinco horas e um minuto, o vereador Charton Rêgo detalha e justifica a importância da aprovação do projeto. No entanto, com a repercussão negativa gerada pelo compartilhamento de desinformação, o prefeito Alan Silviera (MDB) vetou.

Nova discussão

A assessoria de comunicação da Prefeitura de Apodi informou ao Nordeste Sem Fake que o prefeito “vetou o projeto para que seja discutido em audiência pública e, assim, seja sancionado em acordo com a sociedade e os dois poderes municipais”. Uma audiência pública foi realizada no dia 2 de outubro, como está registrada no site da Câmara.

O vereador Charton Rêgo informou que, a partir da audiência, o texto do projeto sofreu algumas alterações. “A nova redação prevê agora que os animais, os quais não tenham os responsáveis identificados e sejam aptos ao consumo humano, serão leiloados e não mais repassados a unidades escolares, além de outras adequações a pedido de especialistas. O projeto será reapresentado em 2024 para ser sancionado pela Prefeitura”, detalhou o autor do projeto. 

Nordeste Sem Fake

A editoria Nordeste Sem Fake, da Agência Tatu, monitora diariamente diversas redes sociais em busca de publicações com conteúdos potencialmente falsos. Mais checagens de fatos estão disponíveis no site.

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

é falso que Dino estava com assassino de Marielle

Homem dançando ao lado de Dino em vídeo é o governador do MA, e não acusado de mandar matar Marielle

Post mente ao sugerir que homem dançando ao lado de Flávio Dino, ministro do STF, seria Domingos Brazão
Lula não "prendeu" águas do Cinturão das Águas

É falso que governo Lula tenha interrompido abastecimento do Cinturão das Águas do Ceará

Trecho seco do Cinturão das Águas, mostrado em vídeo compartilhado em redes sociais, nunca recebeu água, pois ainda não foi inaugurado pelo Governo do Ceará
produção rural

É falso! Nordeste não perdeu 9 bilhões de produção rural em 2023

Valor Bruto da Produção Agrícola de 2023 só será fechado em dezembro
Fake pessoas em situação de rua em Florianópolis

Pessoas em situação de rua foram enviadas da Bahia a Florianópolis? É falso!

Inquérito da Polícia Civil aponta irregularidade de transporte clandestino, mas descarta situação de rua de passageiros