Construção civil: metro quadrado em AL ficou 21% mais caro

Pesquisa do IBGE analisou dados dos últimos 12 meses

WhatsApp Image 2021 06 11 at 15.44.07 - Construção civil: metro quadrado em AL ficou 21% mais caro
Compartilhe

Para a construção de um metro quadrado de um imóvel, o alagoano precisa desembolsar em média R$1.276,38. Há um ano, esse valor estava R$220,10 mais barato, o que representou um aumento de 21% no custo médio das construções. É o que informa o Índice Nacional da Construção Civil (SINAPI), analisado pela Agência Tatu. O período abrange os meses de maio de 2020 a maio de 2021.

O aumento nos custos está diretamente relacionado aos preços dos materiais de construção, que registraram um crescimento ainda maior em 12 meses, com um acumulado de 36,23%. Ou seja, o que antes custava R$582,55 passou a custar R$793,62.

“Quando a pandemia iniciou ano passado, a indústria de materiais de construção acreditava que o mercado ficaria desaquecido e com isso começaria a ter sobra de materiais no mercado. Contudo, com o auxílio emergencial e com a continuidade das obras o consumo de materiais de construção aumentou muito. As empresas que haviam diminuído a produção acabaram com os estoques e a produção não foi suficiente para atender o mercado. Com isso gerou aumento de preços” explica o presidente do Sinduscon-AL, Alfredo Brêda.

Ainda segundo o presidente do Sindicato da Indústria da Construção do Estado de Alagoas, o valor do dólar influenciou no aumento do custo. “Então, a falta de materiais, o excesso de consumo, o aumento da demanda do setor da construção e o aumento do dólar tudo isso junto levou ao aumento de materiais”, detalhou Brêda.

Em contrapartida, o preço da mão de obra, que representa um pouco mais da metade do valor total do metro quadrado, teve uma variação pequena, de apenas 1,91%. O que antes custava uma média de R$ 473,73, passou a custar R$ 482,76. Confira o gráfico:

Thiago Barros, que atua há 16 anos como engenheiro civil, hoje pela T Barros Engenharia, explica como o aumento generalizado nos preços afeta a realidade da construção civil no mercado alagoano. “O valor da matéria prima aumentou muito de um ano e meio pra cá. Alguns itens dobraram o valor. Houve impacto direto no preço do metro quadrado da construção e até escassez de material. A matéria prima que era encontrada com quinze dias de procura, atualmente exige até 45 dias para a entrega. As ferragens, por exemplo, nem se consegue mais fazer o pedido de quem a gente sempre encontrava no mercado”, diz.

Barros contou que as medidas tomadas foram para tentar reorganizar o cronograma de construção da obra de uma maneira que não atrapalhasse o andamento do empreendimento.

“Nós tínhamos um leque de empresas cadastradas, mas também tivemos que diversificar para poder buscar esta matéria, devido à escassez no mercado pelo elevado valor da matéria-prima. Como você não encontra no mercado, tende a subir o preço da obra pela dificuldade de manter uma construção que você já tinha fechado o valor”, relata o engenheiro.

Índice Nacional da Construção Civil

Essa pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é responsável por, mensalmente, realizar levantamento de custos e índices para o setor habitacional. O valor representa a soma de dois fatores: materiais e mão de obra. É o que explica o presidente do Sinduscon de Alagoas, Alfredo Brêda: “O Sinapi é o balizamento de preços feito pela Caixa a nível nacional, atualizando os preços de materiais, mão de obra, dos serviços compostos para que nenhum preço licitado pelo governo federal, estadual ou municipal extrapole os limites definidos por eles”.

*Estagiária sob supervisão da Editoria

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Imagem gráfica com fundo azul e foto recortada e em preto e branco de documentos com mão escrevendo com calculadora ao lado

Imposto de Renda 2024: veja as novidades, prazos e informações para declaração

Agora é obrigatória a declaração de bens que estão no exterior; veja demais mudanças
Capa da matéria "Nordeste arrecadou mais de 344 bilhões em impostos em 2023" publicada originalmente na Agência Tatu. Fundo azul escuro, com um mapa do Nordeste em laranja e os números "344" destacados em cima de placas lado-a-lado.

Nordeste arrecadou mais de 344 bilhões em impostos em 2023

Arrecadação nordestina representa 10,35% da arrecadação total do país
Capa da matéria sobre empreendedores surdos do Nordeste. Fundo em azul com mãos, em preto e branco, fazendo os sinais em Libras formando a palavra Negócio Acessível".

Empreendedores surdos provam que deficiência não limita capacidade de ter a própria empresa

Reportagem especial traz histórias de três empreendedores surdos e seus negócios
Capa da matéria "23% das negociações realizadas pelo programa Desenrola Brasil foram no Nordeste" publicada originalmente na Agência Tatu.

23% das negociações realizadas pelo Desenrola Brasil foram no Nordeste

Iniciativa do Governo Federal, programa renegociou débitos de até R$ 20 mil