Dependência de álcool e outras drogas: saiba onde encontrar ajuda

É possível buscar apoio no serviço público de saúde na luta contra o abuso de álcool, tabaco e outras drogas.

Pessoas ajuda - Dependência de álcool e outras drogas: saiba onde encontrar ajuda
Compartilhe

A busca por uma vida com mais saúde e dignidade tem sido a realidade de muitos alagoanos que lutam em busca da liberdade da dependência do álcool e outras drogas. Serviços disponibilizados pelo Estado, Município e Terceiro Setor auxiliam, de forma gratuita, aqueles que desejam se tratar em Alagoas.

Entre os programas disponibilizados à população, está a Rede Acolhe, que é coordenada pela Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev). O estado disponibiliza três unidades de atendimento localizadas nos municípios de Maceió, Arapiraca e em Santana do Ipanema. Nelas é realizada, primeiramente, a triagem do usuário dando suporte com atendimento psicológico, assistencial e de enfermagem.

Essas unidades são a porta de entrada para dar início ao tratamento,uma vez que, o programa realiza além da triagem a análise do perfil de cada paciente para poder fazer o direcionamento para o tratamento adequado, seja para uma das 33 comunidades terapêuticas acolhedoras credenciadas ou para os CAPS, CRAS ou CREAS.

As comunidades acolhedoras estão presentes na capital e no interior do estado, contemplando homens, mulheres e adolescentes a partir dos 12 anos de idade que tenham vontade de se livrar do vício. O tratamento, que funciona de forma voluntária, dura em média cerca de seis meses e cada caso é avaliado individualmente.

Atendimentos no Caps

O Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPS AD) Dr. Everaldo Moreira é a referência para o tratamento de usuários com dependência de álcool e outras drogas em Maceió. A unidade faz o acolhimento dos usuários e familiares e dá suporte no atendimento através de uma equipe multiprofissional, que inclui enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, médicos (clínico geral e psiquiatras), entre outros.

Para Luíse Tszesnioski, técnica da Gerência de Atenção Psicossocial do município, a relação que o usuário estabelece com o álcool ou outros tipos de drogas pode ocasionar danos à saúde. “Essas consequências clínicas ao longo do tempo podem se tornar de difícil manejo ou mesmo causar déficits neurológicos de difícil reversão”, explicou.

O CAPS AD tem como proposta fazer o acolhimento das pessoas com transtorno por uso de substâncias e suas famílias. Para Luíse, é fundamental a procura por um tratamento, de preferência nos primeiros sinais. “Ao menor sinal de uma mudança de comportamento na relação que o usuário estabelece com as drogas, observando-se o aumento de prejuízos causado pelo uso, é importante procurar ajuda. A busca precoce permite que haja intervenções psicossociais antes que o caso se torne mais grave”, pontuou.

Ela também destaca que toda situação é analisada pela equipe para as possíveis intervenções “Nossa equipe no CAPS AD irá avaliar a situação e trabalhar na perspectiva da Política de Redução de Danos, com medidas e práticas que visam minimizar o impacto do uso de substâncias psicoativas no organismo e na vida do indivíduo”, declarou.

Núcleo de  tratamento e cessação do tabagismo do município

Em Maceió, existem cinco núcleos ativos de tratamento e cessação do tabagismo,  que atendem, em média, cerca de 300 pacientes a cada quatro meses, que é o tempo de duração do  tratamento. No entanto, o paciente é acompanhado pela equipe durante 1 ano.

Os núcleos contam com o suporte de equipes multidisciplinares (fisioterapeutas, assistentes sociais, enfermeiros, terapeuta ocupacional, nutricionistas e médicos) que realizam o atendimento aos usuários conforme determinação do Instituto Nacional de Câncer (INCA) e do Ministério da Saúde (MS).

A cada mês uma das quatro cartilhas disponibilizadas são trabalhadas com os usuários. O tratamento consiste no acompanhamento de terapias dos grupos de tabagistas, consultas individuais, oficinas educativas e o trabalho em cima de temáticas associadas ao tabagismo. O paciente que desejar o tratamento pode procurar qualquer núcleo do município e fazer sua inscrição para dar início de forma gratuita, portando o cartão do SUS e RG.

Onde buscar ajuda

Veja onde procurar ajuda para tratar a dependência química.

REDE ACOLHE

  • Maceió: Rua capitão Samuel lins, 124 – Farol

  • Arapiraca: Av. Ceci Cunha, 246, bairro Brasília

  • Santana do Ipanema: Rua Cel. Lucena Maranhão, 60, Centro

CAPS AD

  • Maceió:  R. Barão José Miguel, 378 – Farol. Telefone: 3312-5517

NÚCLEO DE  TRATAMENTO E CESSAÇÃO DO TABAGISMO DO MUNICÍPIO

  •  II Centro de Saúde Dr. Diógenes Jucá Bernardes (Poço)
  • UBS João Paulo II (Jacintinho)
  • UBS Aliomar Lins (Benedito Bentes)
  • UBS Durval Cortez (Prado)
  • Hospital Universitário (Tabuleiro)

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Colagem em preto e branco de pessoas com baldes e bacias em menção aos domicílios brasileiros sem água encanada

67% dos domicílios brasileiros sem água encanada estão na região Nordeste

Em todo o país, mais de 4,8 milhões de pessoas residem em domicílios sem água canalizada
Capa da matéria "Apenas 13 a cada 100 habitantes do Nordeste têm plano de saúde" publicada originalmente na Agência Tatu.

Apenas 13 a cada 100 habitantes do Nordeste têm plano de saúde

Maranhão é o estado com menor quantitativo proporcional da região
Capa da matéria "Nordeste já registrou mais de 15 mil casos de dengue em 2024" publicada originalmente na Agência Tatu.

Nordeste já registrou mais de 15 mil casos de dengue em 2024

Sudeste concentra maior porcentagem dos registros no Brasil; especialistas reforçam que é fundamental manter os cuidados e prevenção
hanseníase no nordeste

Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022