Mulheres jovens apresentam mais queixas de sofrimento mental durante a pandemia

Dados são do programa Alô Saúde Mental e apontam adoecimento dos alagoanos neste período 

sad woman hug her knee cry sitting alone empty room - Mulheres jovens apresentam mais queixas de sofrimento mental durante a pandemia
Compartilhe

Durante a Pandemia da covid-19 e a necessidade de se manter em isolamento social, muitas pessoas começaram a apresentar algum tipo de adoecimento mental, causado pelas preocupações relacionadas à doença. Somente em um canal de atendimento psicossocial de Alagoas, o Alô Saúde Mental, 2.583 ligações foram registradas.

Os dados são da Secretaria de Saúde de Alagoas (Sesau) e foram coletados pela Agência Tatu. Criado em junho de 2020 para prestar assistência psicológica aos alagoanos que desenvolveram transtornos mentais durante a pandemia da Covid-19, o programa atendeu a alagoanos de 23 municípios de Alagoas até 31 de julho deste ano, quando foi encerrado.

Perfil dos atendidos pelo Alô Saúde Mental

Entre as queixas mais frequentes relatadas nas ligações, os de  tristeza correspondem a 29%; já as crises de ansiedade foram responsáveis por 24% dos registros. Com relação aos sintomas declarados pelos usuários do serviço, 10% relataram que estavam com medo, outros 10% com pânico e mais 10% com taquicardia.

GEhob8KjOG9vm27vRpxJCTiBGeO9gXqfieBJMtzNeRsV3zmfNRd4p1wPEcF0Y79Ahk uE1ESsifNV8ph6XG - Mulheres jovens apresentam mais queixas de sofrimento mental durante a pandemia

No atendimento também eram avaliados a intensidade, em que 49% dos atendidos relataram apresentar sintomas intensos, 30% moderados, 12% sintomas leves e 9% muito intensos. Já com relação à frequência dos sintomas, 13,89% disseram sentir uma vez por semana, 23,61% uma vez por dia, 36,11% mais de uma vez por dia e 26,39% relataram sentir os sintomas o tempo todo.

As mulheres representam 71% dos atendidos, enquanto os homens foram 29%. Quanto à faixa etária, 43% tinham entre 18 e 29 anos, 30% possuíam idade de 30 a 39 anos, 18% possuíam entre 40 a 49 anos, 7% na faixa etária dos 50 a 59 anos, 1% informaram ter entre 60 aos 69 anos de idade e 1% afirmou  ter 70 anos ou mais.

zdwxRh3eXnSpdrJ6Da9CGrazL3QndftQHkM9gL aogEAYC2AGORiDv 7l3nC4AATBYiXoHh4Ignfpvg7E 3cLU cHJoh7Qm5It8 - Mulheres jovens apresentam mais queixas de sofrimento mental durante a pandemia

É importante estar atento aos sintomas para que eles não sejam confundidos, como explica a psicóloga Cristina de Macedo. “São possíveis detectar variações no humor, instabilidade no sono, cansaço, vazio emocional, incapacidade para extrair prazer da vida, sensação de que o tempo parou (falta de esperança). Além disso, a ansiedade também faz parte do quadro depressivo”. Macedo também destaca que em cada pessoa esses sintomas podem vir acompanhados de outros sinais.

Onde encontrar apoio?

Em Alagoas, existem 57 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), que são destinados, primordialmente, ao atendimento dos casos de transtornos mentais graves, severos e persistentes de todas as faixas etárias. Confira onde encontrar os CAPS no estado.

Um dos Centros que atende a esses pacientes é o Rostan Silvestre, que fica no bairro da Jatiúca, em Maceió. A unidade atende a uma demanda média de 150 pacientes por semana.

Entre as atendidas, está Maria**, de  39 anos, que iniciou o tratamento em 2020, após um período de internamento em um hospital psiquiátrico. Com diagnóstico de esquizofrenia, a paciente apresentava sofrimento mental intenso com prejuízo nas atividades da vida diária e relações familiares.

Após a convivência com as atividades da Caps, a usuária relata melhora em sua saúde mental.“Desde que eu entrei aqui eu me senti diferente, eu mudei. Me sinto muito feliz e satisfeita em estar aqui”, afirmou ela.

Nestes Centros são realizados o acolhimento inicial; atendimentos individuais e às famílias; atividades interativas, como auriculoterapia, reiki, massagem relaxante, meditação, dança e oficinas terapêuticas com diversos trabalhos manuais. Para ser atendido em um Caps é necessário procurar o serviço  com original e cópia de um documento com foto, CPF, Cartão SUS e comprovante de residência.

*Estagiária sob a supervisão da Editoria
** Nome fictício criado para preservar a identidade da paciente

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Capa da matéria "Apenas 13 a cada 100 habitantes do Nordeste têm plano de saúde" publicada originalmente na Agência Tatu.

Apenas 13 a cada 100 habitantes do Nordeste têm plano de saúde

Maranhão é o estado com menor quantitativo proporcional da região
Capa da matéria "Nordeste já registrou mais de 15 mil casos de dengue em 2024" publicada originalmente na Agência Tatu.

Nordeste já registrou mais de 15 mil casos de dengue em 2024

Sudeste concentra maior porcentagem dos registros no Brasil; especialistas reforçam que é fundamental manter os cuidados e prevenção
hanseníase no nordeste

Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022
Colagem em preto e branco de pessoas com baldes e bacias em menção aos domicílios brasileiros sem água encanada

67% dos domicílios brasileiros sem água encanada estão na região Nordeste

Em todo o país, mais de 4,8 milhões de pessoas residem em domicílios sem água canalizada