No Nordeste, apenas Pernambuco realiza cirurgia de afirmação de gênero pelo SUS

Atendimento para quem busca a hormonização também apresenta dificuldades; dados são do Ministério da Saúde

Ilustração com fundo rosa bebê e uma mão segurando a bandeira da visibilidade trans.
Compartilhe

Iniciar o processo transsexualizador, seja pela hormonização ou com a cirurgia de afirmação de gênero, é algo que demanda tempo, saúde física e mental, além de muita coragem. Quando se fala em cirurgia de afirmação de gênero, o acesso se torna ainda mais difícil. No Nordeste, apenas um lugar realiza o procedimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que fica no Recife, capital de Pernambuco. A região Norte não possui sequer uma unidade que realiza a cirurgia pelo SUS.

De acordo com a endocrinologista Izabelle Cahet, que é também a médica responsável pelo Espaço Trans no Hospital Universitário Professor Alberto Antunes, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), a demanda em Pernambuco é tão grande que mal comporta a população trans do próprio estado.

“No Norte e Nordeste, [Pernambuco] é o único local que faz cirurgias, tanto as secundárias como as de afirmação de gênero. Então, assim, eles estão com a lotação máxima, porque a fila só para o estado de Pernambuco é gigantesca. Então para quem está procurando, talvez seja melhor tentar por outros estados, como São Paulo, talvez Rio de Janeiro ou Rio Grande do Sul, apesar da distância”, conta a médica. 

Procedimentos pelo Brasil

Apenas seis estados do país realizam cirurgias de redesignação sexual e complementares pelo SUS

A Agência Tatu analisou dados sobre cirurgias de redesignação sexual e complementares realizadas pelo SUS de 2014 até maio de 2022, obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) pela Fiquem Sabendo, agência de dados especializada no acesso a informações públicas. Esses serviços foram incluídos na Tabela de Procedimentos do SUS em novembro de 2013.

No período de 2014 a maio de 2022, foram registradas 233 cirurgias de afirmação de gênero, masculino e feminino, pelo SUS. Desse quantitativo, pouco mais de 62% (145) foram no Nordeste, no único local em que se realiza os procedimentos.

Entre os procedimentos hospitalares que constam no processo transsexualizador estão: cirurgias de redesignação sexual no sexo masculino e feminino, tireoplastia, histerectomia com anexectomia bilateral e colpectomia, mastectomia simples bilateral, plástica mamária reconstrutiva e cirurgias complementares de redesignação sexual.

Total por procedimento

Os dados são referentes a janeiro de 2014 a maio de 2022

Gráfico com o total de cirurgias de redesignação sexual e complementares realizadas pelo SUS Com os dados, também é possível ver que a quantidade de procedimentos relacionados ao processo transsexualizador teve o maior número em 2019, mas nos anos seguintes o quantitativo caiu para menos da metade. No caso de 2022, o somatório vai até maio.

Procedimentos por ano

Gráfico com o total de cirurgias de redesignação sexual e complementares realizadas pelo SUS por ano

Terapia Hormonal

O processo de terapia hormonal, apesar de mais acessível do que as cirurgias, também enfrenta dificuldades, principalmente quanto à aquisição de medicamentos. Este é um problema que prejudica toda a população trans, sobretudo as pessoas que vivem em situação de extrema vulnerabilidade social e, portanto, não possuem condições financeiras de arcar com a compra dos hormônios necessários.

A Agência Tatu conversou com a psicanalista e advogada Luz Vasques, que é mulher trans e integrante da Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL). Luz explicou que iniciou seu processo de hormonização pelo SUS, no Hospital Universitário da Ufal, em Maceió, mas que adquire os hormônios por conta própria. 

“A equipe é composta por profissionais competentes e preparados para atender as demandas e especificidades da saúde dos corpos trans, promovendo um acompanhamento seguro e responsável, imprescindível sobretudo para quem decide se submeter ao delicado processo de hormonização. Algumas dificuldades encontradas é que os ambulatórios trans costumam enfrentar a falta de medicamentos e um descaso político. Mas ainda assim há muitas pessoas corajosas e resilientes”, contou Luz Vasques sobre sua experiência pessoal.

Ilustração com imagem e citação de Luz Vasques.

Ter uma equipe multiprofissional, normalmente formada por médica/o endocrinologista, enfermeira/o, psicóloga/o, assistente social e psiquiatra é fundamental para atender àquelas pessoas trans que estão iniciando o processo de hormonização. Outras áreas da saúde como dermatologia, fonoaudiologia, otorrinolaringologia, mastologia, dentre outras, também são importantes nessa equipe multidisciplinar e podem ser necessárias a depender da demanda de cada paciente.

O acolhimento em ambiente hospitalar deve ser realizado por uma equipe que esteja preparada para atender, sem qualquer tipo de discriminação ou preconceito.

Segundo a endocrinologista Izabelle Cahet essa é uma preocupação recorrente no Espaço Trans do Hospital Universitário da Ufal. Por isso, são realizadas oficinas de sensibilização anualmente, que buscam conscientizar a equipe do hospital quanto ao tratamento a pessoas trans.

Ilustração com imagem e citação da médica Izabelle Cahet

“É preciso sensibilizar e ter o respeito a como cada pessoa quer ser chamada, ou mesmo à questão do nome social. Por exemplo, uma pessoa trans aguardar um atendimento e ser registrada com o nome do registro de nascimento, imagina o constrangimento, né? E imagina quanta disforia isso não traz para essa pessoa. Então assim, tem que realmente existir essas oficinas”, contou Izabelle.

Imagem da entrada do Espaço Trans, no Hospital Universitário da Ufal.

Entrada do Espaço Trans, no Hospital Universitário da Universidade Federal de Alagoas.

Quanto à disforia que uma pessoa trans pode sentir em casos como o mencionado acima, que é a mudança repentina e transitória do estado de ânimo, a psicanalista Luz Vasques também reforça a importância de ampliar os debates sobre os estudos de gênero, inclusive nas áreas de psicologia e psiquiatria.

“A falta de aceitação e acolhimento familiar, a falta de estrutura pedagógica nas escolas, a ausência de referências positivas e de redes de afeto, produzem senão o óbvio: sofrimento e marcas na alma que nenhuma ‘clínica’ ou ‘farmácia’ são capazes de dar conta”, afirma Luz.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Ilustração com fundo laranja e o mapa de alagoas ao fundo e uma colagens de cadeiras de escola com um ventilador de teto em cima.

Emergência climática: a cada 10 escolas públicas em AL, 6 não têm climatização

Belém, São Brás e Taquarana são as cidades que menos possuem climatização em sala de aula
pessoas em situação de rua

Nordeste lidera aumento de violência contra pessoas em situação de rua

Somente em AL, mais de 300 pessoas em situação de rua foram mortas nos últimos 11 anos; Segurança Pública de diversos estados não identifica condição de vítimas ou tem dados subnotificados
Colagem em preto e branco de pessoas com baldes e bacias em menção aos domicílios brasileiros sem água encanada

67% dos domicílios brasileiros sem água encanada estão na região Nordeste

Em todo o país, mais de 4,8 milhões de pessoas residem em domicílios sem água canalizada
Capa da matéria "Mais de 285 mil famílias no Nordeste não tem banheiro em suas casas" publicada originalmente na Agência Tatu.

Mais de 285 mil famílias no Nordeste não tem banheiro em suas casas

Maranhão é o estado com maior quantitativo de domicílios sem banheiro em todo o país