Assassinatos de pessoas trans em AL triplicaram em 2020

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Estado ocupa 3º lugar na região Nordeste em mortes deste grupo

Foto: Bandeira Trans (Nito 100/Getty Images)

Por Agência Tatu

Em Alagoas o número de pessoas  trans, travestis ou mulheres transexuais que foram assassinadas em 2020 aumentou em 300% quando comparado ao ano anterior.

Enquanto no ano passado, oito pessoas do grupo tiveram morte por violência, em 2019 foram registradas duas ocorrências. É o que revelam os dados do Dossiê dos assassinatos e da violência contra pessoas Trans divulgados pela  Associação Nacional de Travestis e Transexuais do Brasil (Antra) e analisados pela Agência Tatu.

O relatório da Antra mostra ainda que o estado ocupa a 6ª posição no ranking de mortes no Brasil, ficando atrás de São Paulo, Ceará, Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Na região Nordeste, Alagoas aparece como o terceiro estado que mais mata pessoas trans, travestis ou mulheres transexuais. Compare o histórico dos últimos anos:

Em todo o país

Ainda de acordo com o levantamento, foram registrados ao menos 175 assassinatos de pessoas trans, travestis e mulheres transexuais no Brasil, em 2020, um aumento de 41% em relação a 2019, quando o dossiê da entidade contabilizou 124 assassinatos.

O número de assassinatos registrados é o segundo maior desde que a Antra começou a realizar o levantamento, perdendo apenas para 2017, quando foram registrados ao menos 179 mortes de forma violenta.

DADOS ABERTOS | Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Mortes violentas de pessoas trans, travestis e mulheres transexuais em AL

Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você

Receba conteúdo gratuito da Tatu diretamente no seu WhatsApp.