Setembro Amarelo: hospitais de AL atenderam 2.592 tentativas de suicídio desde janeiro de 2019

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Dados são do HGE, em Maceió, e HEA, em Arapiraca

Daniel Araújo/SAÚDE é Vital

Maria Luíza Dantas*

Em 2003 o dia 10 de setembro foi escolhido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Desde então, diversos países adotaram o  mês de setembro como uma referência tanto para traçar estratégias de divulgação do problema quanto para ajudar a combater o suicídio.

De acordo com análise feita pela Agência Tatu, de janeiro de 2019 a agosto de 2021, o Hospital Geral do Estado (HGE), que fica em Maceió, e o Hospital de Emergência do Agreste (HEA), localizado em Arapiraca, registraram 2.592 atendimentos a pacientes que tentaram tirar suas próprias vidas. Deste total, 805 casos foram registrados no HGE e 1.787 no HEA. Uma situação que, para ser solucionada, depende de fatores multidisciplinares e assistência psicossocial frequente.

Valorização da Vida

No Brasil, a campanha do Setembro Amarelo iniciou em 2015 e foi idealizada pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). O CVV mantém um telefone para prestar apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo de forma voluntária e gratuita a todas as pessoas que queiram ou precisem conversar.

Além dos casos de tentativa de suicídio atendidos nos dois maiores hospitais públicos de Alagoas, a Agência Tatu analisou também um relatório com as ligações feitas ao CVV por quem precisa de ajuda. De acordo com as informações extraídas, o Piauí lidera o ranking de chamadas, com 1.505 ligações a cada 100 mil habitantes, de janeiro a junho deste ano. No total, foram registrados 50.291 chamados dos piauienses.

Em seguida vem a Paraíba com 1.122 ligações  a cada 100 mil habitantes, totalizando 45.517 ligações somente no primeiro semestre deste ano. Sergipe ocupa o terceiro lugar, com 1.109 chamadas feitas a cada 100 mil habitantes, além de um total de 25.310 ligações. Alagoas tem o segundo menor número de ligações: 785 ligações a cada 100 mil habitantes, totalizando, de janeiro a junho, 26.049 chamadas ao CVV. 

A psicóloga Jéssica Ballesteros explica a importância de ajudar as pessoas que apresentam algum sofrimento mental e, muitas vezes, não encontram um ambiente que seja aberto a falar desse assunto.

“O suicídio ainda é  um tema cercado de tabus, que, no conceito geral da sociedade, não se deve falar abertamente para que não seja estimulado, mas é o oposto disto. Se feito de maneira responsável, sem sensacionalismo e visando orientação e prevenção é importantíssimo que se discuta o suicídio amplamente nos meios de comunicação”, pontuou Jéssica. 

A psicóloga reforça que a pauta da saúde mental precisa ser levada como prioridade não só pela sociedade, como também pelos próprios familiares da pessoa com sofrimento mental, as encorajando a buscar ajuda.

“Ao identificar sinais de alerta, como, por exemplo, alterações extremas de humor, isolamento, verbalizações “queria morrer”, “você vai sentir a minha falta”, “Eu queria poder dormir e nunca mais acordar” deve-se procurar ajuda, pois é um grande mito pensar que quem quer se matar não avisa. Normalmente, o suicídio ou a tentativa, é precedida de inúmeros avisos”, completou Ballesteros. 

ONDE PROCURAR AJUDA

Para quem está com algum sofrimento mental é fundamental buscar apoio psicossocial desde os primeiros sintomas, como variações no humor, instabilidade no sono, cansaço, vazio emocional, incapacidade para extrair prazer da vida, sensação de que o tempo parou, falta de esperança e desânimo. 

As pessoas podem ainda buscar ajuda nos seguintes contatos e locais: 

Centro de Valorização à Vida (CVV) 

24 horas

Telefone: 188

Centro de Promoção de Saúde, Educação e Amor à Vida (CAVIDA)

Telefone: 82 98879-2710

Acolha-me - Apoio Emocional por telefone

Telefone: 82 9-9941-0326

Confira os Centros de Atenção Psicossocial por estado aqui.

*Estagiária sob a supervisão da Editoria

DADOS ABERTOS | Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:
Dados utilizados

Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você

Receba conteúdo gratuito da Tatu diretamente no seu WhatsApp.