União Brasil e PT possuem as maiores bancadas federais do Nordeste

MDB, PSB e PDT estão entre os partidos que encolheram na região

Ilustração - mudança de partido dos deputados federais no Nordeste
Compartilhe

Durante a janela partidária, os parlamentares podem mudar de partido sem o risco de perder a candidatura. No início da legislatura atual o Partido dos Trabalhadores (PT), o Partido Progressista (PP) e o Partido Democrático Trabalhista (PDT) tinham o maior número de deputados federais do Nordeste, mas essa configuração mudou e o PT e a União Brasil finalizaram com 20 deputados federais cada, formando as maiores bancadas nordestinas na câmara.

Os dados coletados pela Agência Tatu são da Câmara dos Deputados e registram todos os deputados federais do Nordeste, incluindo os que estão em exercício, como também os que renunciaram ou foram afastados.

Mudanças dos Deputados Federais do Nordeste

Entre os 19 partidos que têm candidatos em exercício como deputados federais, ao final da janela partidária, os partidos União Brasil (União), Partido Liberal (PL) e Republicanos foram os partidos que mais cresceram desde a eleição. Todavia, só o União faz parte dos maiores partidos no Nordeste. 

Além do União Brasil, o PT também conta com maior número de parlamentares: 20 cada partido, seguido pelo Partido Progressista (PP) que encerrou com 17, depois o Partido Liberal com 16 e o Partido Social Democrático (PSD) com 15.

Na contramão, alguns partidos perderam filiados e até deixaram de ter mandatos na Câmara dos Deputados. Foi o caso do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), do Partido da Mobilização Nacional (PMN), do Solidariedade, do Podemos e do Patriotas. Estes foram os que apresentaram as maiores reduções no Nordeste.

A maior parte dos ingressos no União Brasil vieram dos partidos DEM e do PSL, mas também houve do Podemos (PODE), Partido Democrático Trabalhista (PDT) e do Partido Republicano da Ordem Social (PROS). Já na situação do PT, quase não houve migrações de outros partidos, mas os que ingressaram migraram do PDT e do PCdoB.

Alagoas

O estado tem nove deputados federais em exercício, mas somente quatro realizaram mudança de partido dentro do período. Ao fim da janela partidária, Alagoas ficou com dois deputados federais pelo MDB e dois pelo PP. Além do PT, mais quatro partidos contam com um representante, no entanto, nenhum é do União Brasil.

Das mudanças de partido pelos representantes de Alagoas na Câmara dos Deputados, Marx Beltrão saiu do PSD para o PP, o Severino Pessoa saiu do Republicanos para o MDB, o Nivaldo Albuquerque saiu do PTB e foi para o Republicanos e a deputada Tereza Nelma saiu do PSDB para o PSD.

Bahia

O maior estado do Nordeste tem 39 deputados federais em exercício atualmente e ocorreram 18 mudanças de partido. Houve uma mudança para o PL e outra para o UNIÃO, mas não houve trocas para o PT, que, mesmo assim, é o com maior número de representantes no estado. Entre os parlamentares que comunicaram a mudança estão João Roma, que saiu do Republicanos e foi para o PL; o José Rocha que foi do PL para o União; e o Igor Kannário que se juntou ao União e saiu do Podemos.

Ceará

Com 22 deputados federais, aconteceram sete mudanças de partido, mas o PDT se manteve como o mais numeroso do estado.

Foram três mudanças para o União e duas para o PL. Os deputados Moses Rodrigues, que saiu do MDB, e Vaidon Oliveira e Capitão Wagner (ambos foram afastados), que saíram do PROS, foram para o União. Já Genecias Noronha e Júnior Mano, que estavam no Solidariedade e Patriotas respectivamente, foram para o PL. 

Maranhão

São 18 deputados federais do Maranhão, em que, após a janela partidária, o PL assumiu o primeiro lugar e se tornou o partido com mais deputados maranhenses filiados. Das seis mudanças de partido, PL, União, PT, Republicanos, Podemos e PSC foram os contemplados com um parlamentar cada. 

Dos deputados que trocaram, Rubens Pereira Júnior foi do PCdoB para o PT,  Pedro Lucas Fernandes se juntou ao União e saiu do PTB e o Pastor Gil saiu do PMN e foi para o PL.

Paraíba

Entre os 25 deputados federais de Pernambuco, ocorreram sete mudanças, mas o PSB seguiu sendo o partido com mais filiados.

Entre as trocas de partido, três partiram para o PL e Republicanos. Rede, Avante e Solidariedade ingressaram um deputado cada. Pastor Eurico, Fernando Rodolfo e André Ferreira saíram dos seus partidos de eleição (na ordem, Patriotas, Podemos e PSC) e se coligaram ao PL. 

Piauí

Dos dez deputados federais do estado, houve cinco mudanças de partido durante a janela partidária, o PT, PSD e PP se tornaram os mais numerosos no estado.

O PSD ganhou dois novos parlamentares, enquanto o PT, PP e Republicanos receberam um cada. Capitão Fábio Abreu saiu do PL e foi para o PSD; Marcos Aurélio Sampaio saiu do MDB para o PSD; Flávio Nogueira saiu do PDT para o PT; e o Átila Lira desfiliou-se do PSB para filiar-se ao PP.

Rio Grande do Norte

Com oito deputados em exercício, o Rio Grande do Norte teve três trocas e, com isso, o PP e PL passaram a frente e são os mais numerosos no estado, com dois deputados cada.

Das trocas, o General Girão saiu do União e foi para o PL, já o Fábio Faria foi do PSD para o PP e, por último, o deputado Benes Leocádio saiu do Agir para o União.

Sergipe

Em Sergipe são oito deputados federais e houve quatro mudanças de partido. Ao final da janela partidária, o PL e o PSD se tornaram os partidos com mais deputados filiados.

Das trocas, o deputado Fábio Reis saiu do MDB e foi para o PSD; Gustinho Ribeiro foi do Solidariedade para o Republicanos; Valdevan Noventa entrou para o PL e saiu do PSC; e o deputado Fábio Henrique saiu do PDT e foi para o União Brasil

Brasil

No Brasil, o PT e o PSL eram os maiores partidos. Antes da janela partidária, o PT tinha 54 deputados filiados, já o PSL possuía 52. Com o fim da janela partidária, o PL ganhou mais 45 deputados, fechando com 78 e se tornando o mais numeroso.

Por outro lado, o PT recebeu somente mais dois deputados, que deixou o partido com 56, sendo o segundo em número de parlamentares. O PP ficou em terceiro, após receber novos 14 deputados e encerrar com 52.

Mudanças nos nomes dos partidos

Nem todas as mudanças foram entre os partidos, já que alguns trocaram apenas de nome. O Partido da República (PR) virou o Partido Liberal (PL), o Partido Popular Socialista (PPS) agora se chama Cidadania, o Partido Ecológico Nacional (PEN) tornou-se o Patriota, Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB) virou Avante, o Partido Trabalhista Cristão (PTC) mudou e agora é Agir e o Partido Trabalhista Nacional (PTN) se tornou o Podemos (Pode).

Alguns partidos, ainda, abreviaram o nome, como o Partido Republicano Brasileiro (PRB) que agora é só Republicanos e o Partido Social Democrata Cristão (PSDC) é Democracia Cristã (DC).

Dos partidos incorporados, o Partido Humanista da Solidariedade (PHS) que se juntou ao Podemos (Pode), o Partido Republicano Progressista (PRP) ao Patriota e o Partido Pátria Livre (PPL) ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Já o União Brasil (União) é resultado de duas junções de partidos: o Partido Social Liberal (PSL) e o Democratas (DEM).

*Estagiário sob a supervisão da Editoria

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Fotomontagem com cartão de crédito escrito Cartão da Presidência - CAPA - Bolsonaro-gastou-mais-de-R4-milhoes-no-cartao-corporativo

Em visitas ao Nordeste, Bolsonaro gastou mais de R$4 milhões no cartão corporativo

Valores se referem aos gastos do cartão corporativo da Presidência da República; a maior parte dos gastos são de alimentação e hospedagem.
Capa Braskem - Exclusivo: Braskem já bancou campanhas de governadores, senadores e outros políticos de Alagoas

Exclusivo: Braskem já bancou campanhas de governadores, senadores e outros políticos de Alagoas

Entre 2004 e 2014 a petroquímica doou quase R$ 3 milhões a dezenas de candidatos alagoanos
atentados - Autoridades nordestinas repudiam atentados em Brasília

Autoridades nordestinas repudiam atentados em Brasília

Governadores, prefeitos e parlamentares do Nordeste se manifestaram sobre os atentados criminosos contra as instituições em Brasília.
Capa_matéria_Sem vagas, cemitérios de Maceió enterram 80% dos mortos em cova rasa

Sem vagas, cemitérios de Maceió enterram 80% dos mortos em cova rasa 

Interdição do cemitério Santo Antônio devido ao afundamento de solo causado pela mineradora Braskem agravou a situação funerária