Alagoas teve redução de 85,7% dos casos de dengue em 2020

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Em 2019 foram registrados quase 14 mil casos da doença, já no ano passado foram menos de dois mil

Foto: Pixabay

Por Graziela França

Enquanto a quantidade de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus alcançou altos índices, o número de alagoanos que contraíram dengue teve uma grande redução ano passado. De acordo com dados coletados pela Agência Tatu, a Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas registrou, em 2020, 1.983 casos de uma das principais doenças ligadas ao mosquito Aedes aegypti, o que representa uma redução de 85,7% com relação ao ano anterior, quando foram confirmados 13.894 casos.

O número de mortes por dengue também sofreu redução. Enquanto em 2019 foram confirmados sete óbitos por dengue, em 2020 apenas um foi registrado.

Mesmo com a redução na maioria dos municípios, 13 cidades alagoanas registraram aumento no número de casos em 2020. Veja a seguir:

Dengue não tira férias

De acordo com a infectologista Mardjane Lemos, a grande redução pode ser explicada por dois fatores: uma possível subnotificação por conta da Covid-19 e um pico seguido de quedas que acontecem, no caso das arboviroses, a cada três ou quatro anos. 

“São quatro tipos de vírus da dengue e, após a infecção a pessoa fica imune àquele tipo. Então, como geralmente o vírus predominante durante um período é um deles, depois de um pico, uma fração da população fica imune ao vírus e aí reduz a circulação desse vírus, por disseminação da imunidade”

— Mardjane Lemos, médica infectologista / Foto: Ascom Sms

“A imunidade, ao que tudo indica, é permanente [ao tipo de vírus]. Então, aquelas pessoas que estão mais suscetíveis, moram na área de maior infestação, se infectam e ficam um tempo sem se reinfectar, porque o vírus circulante naquele período de três ou quatro anos é aquele ao qual ele é imune”, completa Lemos.

Mesmo com a redução os cuidados precisam ser redobrados, como manter lixeiras fechadas; não deixar água acumulada em áreas de serviço, vasos de plantas e outros recipientes; tampar tonéis, piscinas e caixas d’água; deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo; limpar ralos e calhas; entre outros cuidados que não permitam o acúmulo de água e proliferação do mosquito transmissor da doença.

Chã Preta foi o município com mais casos por habitante

Localizada na Zona da Mata alagoana e com uma estimativa populacional de 7.311 habitantes, a cidade de Chã Preta contou com a maior incidência de dengue por morador no ano passado. Para facilitar a compreensão, o cálculo foi feito considerando quantas pessoas teriam sido contaminadas pelo mosquito a cada 100 mil habitantes. 

No caso de Chã Preta, quase 739 pessoas a cada 100 mil habitantes contraíram dengue. Na sequência aparecem os municípios de Paulo Jacinto (675), Delmiro Gouveia (411), Ibateguara (403) e Maragogi (291). Confira a seguir.

A Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas esclarece que os dados de 2020 estão sujeitos a revisão pelas Secretarias Municipais de Saúde. 


DADOS ABERTOS – Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos as informações utilizadas na produção desta matéria para consulta:

Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você

Receba conteúdo gratuito da Tatu diretamente no seu WhatsApp.