Alagoas teve redução de 85,7% dos casos de dengue em 2020

Em 2019 foram registrados quase 14 mil casos da doença, já no ano passado foram menos de dois mil

12/01/21, 11h01 (atualizada em 09/12/21, 13h12)

Compartilhe:

Reportagem Graziela França

Enquanto a quantidade de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus alcançou altos índices, o número de alagoanos que contraíram dengue teve uma grande redução ano passado. De acordo com dados coletados pela Agência Tatu, a Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas registrou, em 2020, 1.983 casos de uma das principais doenças ligadas ao mosquito Aedes aegypti, o que representa uma redução de 85,7% com relação ao ano anterior, quando foram confirmados 13.894 casos.

O número de mortes por dengue também sofreu redução. Enquanto em 2019 foram confirmados sete óbitos por dengue, em 2020 apenas um foi registrado.

Mesmo com a redução na maioria dos municípios, 13 cidades alagoanas registraram aumento no número de casos em 2020. Veja a seguir:

Dengue não tira férias

De acordo com a infectologista Mardjane Lemos, a grande redução pode ser explicada por dois fatores: uma possível subnotificação por conta da Covid-19 e um pico seguido de quedas que acontecem, no caso das arboviroses, a cada três ou quatro anos.

“São quatro tipos de vírus da dengue e, após a infecção a pessoa fica imune àquele tipo. Então, como geralmente o vírus predominante durante um período é um deles, depois de um pico, uma fração da população fica imune ao vírus e aí reduz a circulação desse vírus, por disseminação da imunidade”

— Mardjane Lemos, médica infectologista / Foto: Ascom Sms

“A imunidade, ao que tudo indica, é permanente [ao tipo de vírus]. Então, aquelas pessoas que estão mais suscetíveis, moram na área de maior infestação, se infectam e ficam um tempo sem se reinfectar, porque o vírus circulante naquele período de três ou quatro anos é aquele ao qual ele é imune”, completa Lemos.

Mesmo com a redução os cuidados precisam ser redobrados, como manter lixeiras fechadas; não deixar água acumulada em áreas de serviço, vasos de plantas e outros recipientes; tampar tonéis, piscinas e caixas d’água; deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo; limpar ralos e calhas; entre outros cuidados que não permitam o acúmulo de água e proliferação do mosquito transmissor da doença.

Chã Preta foi o município com mais casos por habitante

Localizada na Zona da Mata alagoana e com uma estimativa populacional de 7.311 habitantes, a cidade de Chã Preta contou com a maior incidência de dengue por morador no ano passado. Para facilitar a compreensão, o cálculo foi feito considerando quantas pessoas teriam sido contaminadas pelo mosquito a cada 100 mil habitantes.

No caso de Chã Preta, quase 739 pessoas a cada 100 mil habitantes contraíram dengue. Na sequência aparecem os municípios de Paulo Jacinto (675), Delmiro Gouveia (411), Ibateguara (403) e Maragogi (291). Confira a seguir.


A Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas esclarece que os dados de 2020 estão sujeitos a revisão pelas Secretarias Municipais de Saúde.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta.

1. Dados da Dengue em Alagoas

Somos uma startup de jornalismo de dados de Alagoas  com foco em produção de conteúdo e produtos inovadores para a realidade local e regional.

Assine a nossa newsletter

© 2017 - 2021 Agência Tatu de Jornalismo de Dados.

Todos os direitos reservados.

Política de Privacidade