Após redução do ICMS, preço da gasolina cai 15% em Maceió

De acordo com economista, diminuição do tributo afeta receita fiscal dos estados

ttpo 1 - Após redução do ICMS, preço da gasolina cai 15% em Maceió
Compartilhe

Depois de dois anos sem redução significativa no preço dos combustíveis em Maceió, o Litrômetro – ferramenta da Agência Tatu de monitoramento dos preços nos postos da capital – registrou queda de 14,9%, nos últimos 30 dias, no preço médio da gasolina comum, que chegou a R$ 5,88 neste sábado (9).

Os dados da plataforma mostram ainda que o preço de outros combustíveis também registraram queda, como a gasolina aditivada que caiu na média 15,2%; enquanto o etanol reduziu em 8,8%; e o GNV (Gás Natural Veicular) em 5,8%, somente nos últimos 30 dias. Por sua vez, o diesel sofreu aumento de 8% no mesmo período.

Na média do mês de junho, o preço da gasolina comum foi de R$ 7,19 nos postos de Maceió, a maior média desde dezembro de 2018, quando a plataforma começou a coletar e armazenar os dados. Já neste mês de julho, a média registrada, até o momento, é de R$ 6,58.

Também é possível encontrar postos que aplicam valores acima ou abaixo da média. Neste sábado (9), o maior preço da gasolina comum registrado na capital foi de R$ 6,59 e o menor R$ 5,88.

Abastece Maceió

Com o aplicativo Abastece Maceió, uma iniciativa da Agência Tatu, é possível acompanhar gratuitamente os preços de cada posto de combustível da capital alagoana. A ferramenta permite conferir, em tempo real, os postos que possuem o menor valor em vários tipos de combustíveis (gasolina comum, gasolina aditivada, etanol, diesel e GNV).

O que explica a redução

Com a aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLP) 18/2022, em junho deste ano, bens e serviços nas áreas de telecomunicações, energia, transporte público e combustíveis passaram a ser classificados como essenciais e, por isso, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) desses produtos ficam limitados à alíquota, de 17% a 18%.

No caso da gasolina, que a alíquota média era de 27%, com o PL o percentual teve uma redução média de 10 pontos. Em Alagoas, a alíquota passou de 29% para 17%.

A mudança recente gerou conflitos entre os estados federativos e o Governo Federal, já que alguns trechos do Projeto de Lei, que previam que a União compensaria os estados pela perda de arrecadação tributária, foram vetados pelo presidente da república, Jair Bolsonaro (PL).

De acordo com a economista, professora universitária e doutora em Desenvolvimento Econômico, Luciana Caetano, o problema não seria solucionado pela compensação por parte da União, mas sim pela revogação do Projeto de Lei (PL) 1472/2021, que fixou o Preço de Paridade de Importação (PPI) como parâmetro para os preços internos de venda de gasolina, diesel e gás liquefeito de petróleo (GLP), com base nas cotações médias do mercado internacional.

“A receita fiscal dos estados está sendo sacrificada em prol de lucros elevados das empresas que integram a cadeia produtiva do petróleo e gás. Isso é um crime social, posto que tende a reduzir recursos que poderiam ser alocados para a área social em um dos momentos mais críticos para o Estado”, explica a economista Luciana Caetano.

Ainda segundo a especialista, o ICMS representa mais de 80% da receita fiscal das unidades federativas, e a redução nesse tributo pode gerar um impacto grande na capacidade do Estado honrar seus compromissos, como endividamento, despesas com pessoal, investimento em infraestrutura e todo o conjunto de gastos previstos na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e na Lei Orçamentária Anual (LOA).

“Sem dúvida, [os estados] já devem estar sentindo o peso [da redução tributária]. Em breve, conhecerão, com precisão, o valor da queda e arrecadação fiscal. A União feriu um pacto federativo que preza pela autonomia dos estados subnacionais no que tange à competência tributária. Cada unidade federativa tem uma relação receita versus despesa distinta. A União não poderia ter encaminhado um projeto dessa natureza, ignorando as particularidades de cada ente federativo”, frisa Caetano.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Capa da matéria "23% das negociações realizadas pelo programa Desenrola Brasil foram no Nordeste" publicada originalmente na Agência Tatu.

23% das negociações realizadas pelo Desenrola Brasil foram no Nordeste

Iniciativa do Governo Federal, programa renegociou débitos de até R$ 20 mil
Capa da matéria sobre empreendedores surdos do Nordeste. Fundo em azul com mãos, em preto e branco, fazendo os sinais em Libras formando a palavra Negócio Acessível".

Empreendedores surdos provam que deficiência não limita capacidade de ter a própria empresa

Reportagem especial traz histórias de três empreendedores surdos e seus negócios
Imagem gráfica com fundo azul e foto recortada e em preto e branco de documentos com mão escrevendo com calculadora ao lado

Imposto de Renda 2024: veja as novidades, prazos e informações para declaração

Agora é obrigatória a declaração de bens que estão no exterior; veja demais mudanças
Capa da matéria "Nordeste arrecadou mais de 344 bilhões em impostos em 2023" publicada originalmente na Agência Tatu. Fundo azul escuro, com um mapa do Nordeste em laranja e os números "344" destacados em cima de placas lado-a-lado.

Nordeste arrecadou mais de 344 bilhões em impostos em 2023

Arrecadação nordestina representa 10,35% da arrecadação total do país