Copa do Mundo 2022 expande discussão sobre direitos humanos no Twitter

Mulheres e pessoas LGBTQIA+ são os mais oprimidos pelas regras religiosas e sociais do país sede da competição

Capa da matéria "Copa do Mundo 2022 expande discussão sobre direitos humanos no Twitter". Ilustração digital com um fundo bordô igual a cor da bandeira do Catar com um casal homoafetivo beijando-se mas censurado.
Compartilhe

Por sediar a Copa do Mundo FIFA de 2022, o Catar entrou no radar mundial ao expor suas regras que inibem direitos básicos da população. Nas últimas cinco semanas o assunto “direitos humanos + Catar” foi tuitado mais de 43 mil vezes somente em português, tendo termos relacionados como “homofobia”, “transfobia”, “estupro” e “escravidão”.

A Agência Tatu coletou tweets sobre a temática nas últimas cinco semanas, utilizando a ferramenta Trendsmap. Além disso, foram coletados os dados de índices como o Democracy Index e Freedom House.

De acordo com o Democracy Index, ranking da Economist Intelligence que classifica o status democrático dos países, o Catar ocupa a 53º posição de país menos democrático entre os 167 países analisados pela pesquisa. O país sede da Copa do Mundo deste ano é classificado como um país sob regime autoritário e está na mesma categoria que a Rússia, Iraque, Cuba, China e Venezuela.

Já o Freedom House classifica o Catar como um país “não livre”. Assim, a população catari tem pouca liberdade civil e poucos direitos políticos – o país tem uma pontuação de 25 em uma escala que vai a 100.

A Freedom House é uma organização americana sem fins lucrativos integrante da International Freedom of Expression eXchange (IFEX). A organização faz parte de um conjunto de 71 ONGs que promove e advoga o direito à liberdade de expressão e defendem o avanço da liberdade através de pesquisas e relatórios relacionados à democracia e direitos políticos

Debates no Twitter

Apesar dos dados e das pesquisas evidenciarem possíveis condições sociais do país, as discussões no Twitter expuseram o que acontece no país para todo o mundo.

Com mais de 57 mil likes e 6 mil retweets, o post com mais destaque no Twitter sobre o assunto é de uma página brasileira que reuniu diversos descumprimentos aos direitos humanos no Catar.

Um dos casos que mais chamaram a atenção do público é sobre a negligência do governo do país que negou direitos trabalhistas básicos aos operários e trabalhadores migrantes, resultando em mais de 6.500 mortes entre 2010 e 2022, nas construções voltadas à Copa; estádios, redes de hotéis, aeroporto internacional e metrô.

O Catar, que assim como os demais países do Golfo Pérsico, é de religião muçulmana e, consequentemente, limita socialmente diversos grupos minoritários, como as mulheres e as pessoas LGBTQIA+. O país é um dos 70 países onde a homossexualidade é considerada crime e a demonstração de afeto em público não é permitida.

O Catar já foi notificado pela Human Rights Watch, uma organização internacional de direitos humanos, não-governamental, sem fins lucrativos, que é reconhecida por investigações aprofundadas sobre violações de direitos humanos, relacionados a assédios e abusos severos contra pessoas trans e travestis. Entre as ações realizadas pelas autoridades do Catar, as vítimas precisavam entregar seus telefones para serem vasculhados e só eram liberadas após atenderem a consultas de “regressão sexual”.

Manifestações e impedimento da FIFA

Pouco antes do início da Copa, a FIFA vetou a camisa de treino da Dinamarca com a frase “direitos humanos para todos”, sob a justificativa de que se tratava de posicionamento político.

Além disso, alguns jornais locais do Catar ironizaram as manifestações pró-LGBTQIA+ feitas pela seleção alemã antes do início da partida com o Japão. Consumir ou vender bebida alcoólica dentro dos estádios ou em locais públicos também são atitudes que geraram repercussão.


Esta reportagem só foi possível graças a uma parceria com a Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV-DAPP), que ofereceu treinamento, financiamento e acesso a plataformas de análise de redes sociais.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Imagem gráfica com pessoa lendo jornal, outra com notebook e mão segurando um celular lado a lado e dentro de plano roxo e rosa com elementos que remetem a aceleração e mídias

Forma de consumir notícias no Brasil e mundo mudou; confira como

Relatório internacional pontua fenômenos e dados recentes da comunicação
Ilustração com fundo laranja e o mapa de alagoas ao fundo e uma colagens de cadeiras de escola com um ventilador de teto em cima.

Emergência climática: a cada 10 escolas públicas em AL, 6 não têm climatização

Belém, São Brás e Taquarana são as cidades que menos possuem climatização em sala de aula
Capa da matéria "Eleições 2022: o que é a democracia e quais regimes políticos já passaram pelo Brasil". Ilustração digital que traz um fundo azul, várias mãos para o alto e alguns balões de dialógo logo acima.

Eleições 2022: o que é a democracia e quais regimes políticos já passaram pelo Brasil

Democracia tem sido elemento central no debate eleitoral de 2022
Colagem com imagens de cemitérios públicos de maceió com um fundo azul.

Sem lugar para morrer: Prefeitura de Maceió descumpre lei e esconde dados sobre cemitérios públicos

Recursos via Lei de Acesso à Informação foram indeferidos sem qualquer justificativa