Fórum de Inovação no Jornalismo Alagoano apresenta novos caminhos para a comunicação

Evento inspirou estudantes e profissionais, proporcionando troca de ideias e debates sobre o cenário atual do jornalismo

organizacao fija2 min scaled - Fórum de Inovação no Jornalismo Alagoano apresenta novos caminhos para a comunicação
Compartilhe

Aprendizado, interação e inovação. A 1ª edição do Fórum de Inovação no Jornalismo Alagoano (FIJA) reuniu estudantes, profissionais e iniciativas independentes no último sábado (26), no Sebrae Alagoas, em Maceió. Pioneiro nesse formato no estado,  o evento proporcionou importantes discussões e apresentou novas perspectivas para o setor no estado com mesas, painéis e workshops .

Lucas Thaynan em oficina de visualização de dados

Lucas Thaynan em oficina de visualização de dados

Lucas Thaynan, diretor de Visualização da Agência Tatu, comandou o workshop ‘Construindo visualizações incríveis para suas reportagens’. Para ele, momentos como o FIJA enriquecem o jornalismo em Alagoas.

“O evento foi muito bacana, o primeiro que organizamos. Alagoas carece desse tipo de iniciativa para trazer mais inovação, um novo olhar, modelos de negócios e novos meios de trabalhar. O jornalismo local só tem a ganhar com isso e esse foi o objetivo do FIJA. Conseguimos esgotar os ingressos que colocamos à disposição e  esperamos que tenham outras edições. Trouxemos grandes nomes para participar, contar mais sobre seus projetos e inspirar as pessoas”, afirma.

Marcelo de Arruda (Mercatus Jornal), Géssika Costa (Ajor) e Raíssa França (Eufemea)

Marcelo de Arruda (Mercatus Jornal), Géssika Costa (Olhos Jornalismo) e Raíssa França (Eufemea)

O Fórum foi uma iniciativa da Agência Tatu e Olhos Jornalismo, com patrocínio do Sebrae Alagoas, que apoia a viabilização de eventos que tenham a inovação como foco, valorizando o empreendedorismo e a geração de negócios inovadores. Para a coordenadora de projetos na Associação de Jornalismo Digital (Ajor) e editora do Olhos Jornalismo, Géssika Costa, o FIJA evidenciou a relevância da mídia independente alagoana.

“Acredito que o FIJA ajudou a amplificar a importância da mídia independente e da mídia digital em Alagoas de um modo geral. Eventos como esse são fundamentais para criar uma cultura de colaboração entre os estudantes e as pessoas que buscam empreender na área de comunicação, mas muitas vezes têm medo. Tais momentos servem de inspiração, já que mostram que é possível sim fazer o jornalismo que você acredita. Você pode montar a sua iniciativa e ter sucesso, alcançando a sustentabilidade financeira”, comenta.

Jean Albuquerque (Olhos Jornalismo), Vanessa Oliveira (Mídia Caeté) e Bertrand Morais (Revista Alagoana)

Jean Albuquerque (Olhos Jornalismo), Vanessa Oliveira (Mídia Caeté) e Bertrand Morais (Revista Alagoana)

Além das iniciativas citadas acima, o evento contou ainda com a colaboração da Mercatus Jornal, Revista Alagoana, Mídia Caeté e Eufemea. Segundo a fundadora e integrante da Mídia Caeté, Wanessa Oliveira, o evento permitiu uma maior conexão entre acadêmicos e jornalistas, ampliando a visão sobre a profissão e sobre inovação.

“Tivemos um grande encontro de estudantes e jornalistas que estão querendo novos formatos e novos espaços de conexão do jornalismo com a comunidade, tanto a partir de uma inovação tecnológica como também uma nova forma de enxergar a comunicação desses novos tempos. Dessa maneira, é possível se articular de uma maneira muito mais coletiva”, relata Wanessa.

Já o cocriador da Revista Alagoana, Bertrand Morais, afirma que o momento apresentou importantes insights para os presentes.

“A importância do FIJA foi trazer um evento externo dos muros acadêmicos, mas com a proposta de proporcionar insights para estudantes e profissionais da área de comunicação em Alagoas, possibilitando o desenvolvimento de projetos e mídias de jornalismo independentes, além de compartilhar ideias e fazer networking. Foi um momento muito oportuno e de muito aprendizado”.

Maria Luiza Brito é estudante de Jornalismo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e também esteve presente. Para ela, o espaço deu a oportunidade conhecer mais a fundo a profissão.

“É muito interessante ter essa oportunidade, como estudante de jornalismo, de poder enxergar outras perspectivas de jornalismo independente. Ter palestras com profissionais que mostram como fazer um jornalismo ético e pegar todas essas dicas é muito importante, principalmente pelas dificuldades que temos no Ensino Superior, que interferem no nosso dia a dia”, diz a graduanda.

JORNALISMO INDEPENDENTE E SUSTENTABILIDADE

Um dos principais temas debatidos ao longo do fórum foi a sustentabilidade de iniciativas independentes. De acordo com o colunista do portal UOL e um dos painelistas do FIJA, Carlos Madeiro, além da busca por um jornalismo de qualidade, é preciso estar atento também à rentabilidade dos projetos.

Carlos Madeiro (Colunista UOL)

Carlos Madeiro (Colunista UOL)

“Foi muito legal estar presente, pois foi uma chance de reunir profissionais e estudantes para realizar um networking que precisa ser feito. Todos nós temos a ideia de fazer um bom jornalismo, gostamos de contar e escutar histórias, mas precisamos ver como se paga a conta também. Surgiram aproximações e conceitos que precisam ser mais trabalhados para gerar rentabilidade sem o vínculo com o financiamento público, usando mais projetos sociais. O jornalismo alagoano faz isso muito bem. Agora, é mantê-lo vivo e sustentável”, frisa Madeiro.

Sérgio Miguel Buarque (Marco Zero)

Sérgio Miguel Buarque, cofundador e coordenador executivo da Marco Zero Conteúdo, também foi um dos palestrantes e ressaltou a força do jornalismo independente alagoano, sobretudo no que diz respeito à pluralidade de pessoas e de maneiras de manter as atividades.

Finalizando o evento, a jornalista e analista de dados do Google Trends, Gabriela Caesar, falou mais sobre ferramentas e plataformas e como elas podem contribuir para o jornalismo.

Gabriela Caesar (Google)

Gabriela Caesar (Google)

“É fundamental que o Nordeste tenha mais eventos assim. É uma honra participar e, ao mesmo tempo, aprender e conhecer profissionais bastante capacitados. Tivemos oficinas para entender sobre jornalismo de dados, discussões muito interessantes sobre modelos de negócio e novos veículos. É muito relevante ter espaços de debate para a comunidade jornalística se organizar e fazer um trabalho ainda melhor”, finaliza.

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Capa da matéria ''Apesar da redução, Nordeste é a região com maior desertos de notícias do país" publicada originalmente na Agência Tatu.

Apesar da redução, Nordeste é a região com maior número de desertos de notícias do país

Região possui maior proporção de municípios sem cobertura local de jornalismo
20220614 092330 - Agência Tatu vai ampliar produção de conteúdo no Nordeste com apoio da Meta e ICFJ

Agência Tatu vai ampliar produção de conteúdo no Nordeste com apoio da Meta e ICFJ

Veículo foi um dos selecionados pelo programa Acelerando Negócios Digitais; mais três iniciativas de Alagoas também foram contempladas
121 - Reportagens de impacto e inovação: confira como foi o 2023 da Tatu

Reportagens de impacto e inovação: confira como foi o 2023 da Tatu

Confira a retrospectiva da Agência Tatu de Jornalismo de Dados!
1 3 1 - Time Tatu celebra seis anos de jornalismo de dados no Nordeste

Time Tatu celebra seis anos de jornalismo de dados no Nordeste

Agência de jornalismo de dados comemora novo ciclo com mais alcance, premiações e conquistas