Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022

hanseníase no nordeste
Compartilhe

A hanseníase é uma das doenças mais antigas do mundo e, mesmo assim, em 2022 ainda foram registrados 174.087 casos, sendo o Brasil o 2º país com maior quantidade de pessoas acometidas pela doença, segundo o Ministério da Saúde. No país, o Nordeste é a região que menos reduziu casos e é a segunda em maior número. Nesta terça-feira (30) é celebrado o Dia Mundial Contra a Hanseníase, que encerra a campanha do Janeiro Roxo. 

A Agência Tatu analisou o Boletim Epidemiológico da Hanseníase 2024 do Ministério da Saúde, divulgado no último dia 22 e constatou que a região Nordeste lidera o ranking das regiões que menos conseguiram reduzir os casos da doença. Em 2013 foram registrados 13.276 casos nos estados nordestinos, já em 2022 o número caiu para 8.879, o que representa uma redução histórica de 33,1%. Confira o gráfico abaixo:

Brasil reduz 36,7% de casos de hanseníase em 10 anos

Nordeste foi a região que menos sofreu redução (33,1%);

Apesar de registrar uma maior redução entre 2019 e 2020 e na sequência voltar a sofrer aumento, como mostra o mapa acima (passe o mouse sobre a região), o Ministério da Saúde contextualiza que os dados sofreram influência do subdiagnóstico causado pelo impacto da pandemia da Covid-19. Em todo país, foram 19.635 casos só em 2022.

Nordeste é a 2ª região com maior número de casos de hanseníase

Dados de 2022 mostram que centro-oeste lidera ranking por 100 mil habitantes

Em números proporcionais, o Nordeste é a segunda região com mais casos de hanseníase, com 16,3 casos a cada 100 mil habitantes, ficando atrás apenas do Centro-Oeste. A menor quantidade de casos entre as regiões do Brasil foi registrada no Sul com 2,2 casos a cada 100 mil habitantes. 

Assine a newsletter da Tatu e fique por dentro de tudo!

Entre os estados nordestinos, Maranhão lidera o ranking com mais casos da doença, mais de 34 por 100 mil habitantes, considerando os dados mais atualizados de 2022. Na sequência aparecem Piauí e Pernambuco. Já Alagoas e Rio Grande do Norte registraram menos casos: 8,9 e 5,4 por 100 mil habitantes, respectivamente. Confira a lista completa:

Casos de hanseníase no Nordeste por 100 mil habitantes em 2022

  • Maranhão: 34,67 por 100 mil habitantes (2.349 casos)
  • Piauí: 22,73 (743 casos)
  • Pernambuco: 20,41 (1.849 casos)
  • Ceará 12,99 (1.142 casos)
  • Bahia 11,96 (1.691 casos)
  • Sergipe: 11,68 (258 casos)
  • Paraíba: 9,79 (389 casos)
  • Alagoas: 8,92 (279 casos)
  • Rio Grande do Norte: 5,42 (179 casos)

70,4% das pessoas acometidas são negras ou pardas

O levantamento do Ministério da Saúde mostra também, na página 54, que a hanseníase - conhecida no passado como lepra e carregada de estigma e discriminação - é mais prevalente em populações que vivem em condições de vulnerabilidade social. De todos os casos registrados, 70,4% foram em pessoas negras ou pardas e a maioria (56,3%) analfabeta ou com ensino fundamental completo ou incompleto. 

Janeiro Roxo

A campanha Janeiro Roxo alerta a sociedade sobre o combate à hanseníase. Além da data mundial, no Brasil foi instituído o último domingo do mesmo mês como Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase. O país segue classificado como prioritário pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no combate à doença. 

A técnica do Programa de Controle da Hanseníase de Maceió, Andrea Silva, destaca que apesar da diminuição de casos o quadro ainda não é satisfatório. “A redução mostra a eficácia do tratamento e intensificação dos dados no sistema de informação, mas a situação não é confortável, pois temos um diagnóstico tardio dos casos com elevada proporção de casos mais avançados da doença e já apresentando alguma deformidade física”, alerta.

A hanseníase é uma doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium Leprae, que  se reproduz lentamente com um período médio de incubação e aparecimento dos sinais em aproximadamente cinco anos. Entre os sintomas estão as manchas esbranquiçadas, amarronzadas e avermelhadas na pele com mudanças na sensibilidade dolorosa, térmica e tátil. O SUS disponibiliza o tratamento e  acompanhamento dos pacientes em unidades básicas de saúde e em referência.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Colagem em preto e branco de pessoas com baldes e bacias em menção aos domicílios brasileiros sem água encanada

67% dos domicílios brasileiros sem água encanada estão na região Nordeste

Em todo o país, mais de 4,8 milhões de pessoas residem em domicílios sem água canalizada
Capa da matéria sobre empreendedores surdos do Nordeste. Fundo em azul com mãos, em preto e branco, fazendo os sinais em Libras formando a palavra Negócio Acessível".

Empreendedores surdos provam que deficiência não limita capacidade de ter a própria empresa

Reportagem especial traz histórias de três empreendedores surdos e seus negócios
idh pandemia

Apesar de menor queda do IDH na pandemia, Nordeste segue com menores índices do país

Impacto da crise sanitária foi analisado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
Capa da matéria "Câncer de pele é o mais incidente em todas as regiões do país, exceto no Nordeste", publicada originalmente na Agência Tatu.

Câncer de pele é o mais incidente em todas as regiões do país, exceto no Nordeste

Na região, o câncer de mama é o que possui maior número de diagnósticos