Mortes em rodovias: Maranhão tem maior taxa de letalidade do Nordeste

Em 2022, foram registrados 13.500 acidentes e 1.633 mortes em rodovias federais

Mortes em rodovias do Nordeste
Compartilhe

O Maranhão lidera a taxa de letalidade em acidentes nas rodovias federais no Nordeste. Em 2022, o estado contabilizou 1.079 acidentes e 209 mortes. Já o Rio Grande do Norte foi o que apresentou menor número de mortes percentualmente. Apesar do aumento no número de acidentes, Alagoas foi o estado que mais reduziu óbitos em rodovias federais entre 2021 e 2022.

Os dados obtidos pela Agência Tatu são da Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), vinculada ao Ministério dos Transportes, e mostram que em 2022 houve 13.500 acidentes com 1.633 mortes registradas nas rodovias federais no Nordeste em 2022. 

Mapa da taxa de letalidade em acidentes nas rodovias do Nordeste

Os dados são da Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) do Ministério dos Transportes

A maior taxa de letalidade foi registrada no Maranhão, com 19 mortes a cada 100 acidentes. Em relação às rodovias, a BR-135 foi a que mais registrou óbitos proporcionalmente ao número de sinistros, 54 durante o ano passado.

Em contrapartida, o estado do Rio Grande do Norte teve taxa de letalidade de 7% ao encerrar o ano com 1.279 sinistros e 93 óbitos, a menor registrada entre os estados nordestinos.

Uma comparação entre os números de 2021 e 2022 revela que o estado que mais reduziu, percentualmente, o número de mortes em acidentes nas rodovias foi Alagoas. Em 2021 foram 579 acidentes e 91 mortes. Já em 2022, apesar do número de sinistros aumentar para 590, as mortes reduziram para 54, uma redução de 6,57% na taxa de letalidade. 

Causas evitáveis

De acordo com o Senatran, a maioria das causas de acidentes nas rodovias do nordeste tem relação com a imprudência dos condutores, como excesso de velocidade e ultrapassagem indevida. A diretora do Departamento de Segurança Viária, Maria Alice Nascimento, enfatiza que a estrutura e segurança viária são temas discutidos diariamente para diminuir o número de mortes nas rodovias.

Maria Alice, diretora de Segurança Viária do Senatran

Diretora do Senatran destaca que maioria dos acidentes é por excesso de velocidade

“A gente percebe que os acidentes mais graves, em sua maioria, acontecem por causa do excesso de velocidade. A partir de 60 km/h, uma batida é como se você estivesse caindo do quinto andar de um prédio, então é necessário ter atenção sempre. As pessoas precisam se conscientizar que precisam mudar a postura e o comportamento para que possamos ter um trânsito mais seguro", afirma Maria Alice.

Maio Amarelo

Com o objetivo de sensibilizar a sociedade para a importância da adoção de comportamentos mais seguros no trânsito, a 10ª campanha Maio Amarelo no Brasil ganhou o tema “No Trânsito escolha a vida”. O movimento de conscientização para redução de acidentes de trânsito é internacional e no Brasil é propagado pelo Senatran e pelos Departamentos Estaduais de Trânsito. 

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Capa da matéria sobre violência em ambiente escolar.

Combate à violência em ambiente escolar ganha força com nova lei

Legislação surgiu como forma de conter ataques em escolas; 2023 foi o ano com maior quantidade de casos nos últimos 22 anos
Braskem muda paisagem de bairro em Maceió

Veja como Braskem alterou paisagem em bairro de Maceió desde 2018

Uma das minas da empresa entrou em colapso nesse domingo (10), em decorrência da extração de sal-gema realizada pela mineradora; Braskem afirma ser a atual proprietária do que um dia foram espaços públicos
pessoas em situação de rua

Nordeste lidera aumento de violência contra pessoas em situação de rua

Somente em AL, mais de 300 pessoas em situação de rua foram mortas nos últimos 11 anos; Segurança Pública de diversos estados não identifica condição de vítimas ou tem dados subnotificados
hanseníase no nordeste

Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022