Trabalhador do Nordeste compromete 72% de salário mínimo com refeição fora de casa

Nordeste tem a segunda refeição fora de casa mais cara do país

refeição fora de casa
Compartilhe

O trabalhador dos estados nordestinos paga, em média, R$ 43,55 reais por cada refeição fora de casa. O custo chega a R$ 958,1 por mês, o equivalente a 72% de um salário mínimo, que atualmente é de R$1.320. Apesar do Nordeste ter a segunda refeição fora de casa mais cara do país, foi a região que menos registrou aumento entre 2022 e 2023.

A análise feita pela Agência Tatu levou em consideração os dados mais recente da pesquisa Preço Médio da Refeição Fora do Lar, realizada pela Mosaiclab há 20 anos e encomendada pela Associação Brasileira das Empresas de Benefícios ao Trabalhador (ABBT).

Preço médio da refeição fora de casa por região (em R$)

Entre as regiões do Brasil, o Nordeste tem a segunda refeição fora de casa mais cara, ficando atrás apenas da região Sudeste, e ficando acima também da média de todo país, que é de R$ 46,6, segundo o novo levantamento. 

A pesquisa também apontou que a refeição no Nordeste foi a que menos sofreu aumento entre 2022 e 2023, registrando 8,1% a mais que no ano passado. Nesse aspecto, o centro-oeste foi onde os trabalhadores mais sentiram o reajuste da refeição, um aumento médio de 22,1%. 

Natal tem a refeição 56% mais cara que Teresina

A variação no preço médio da refeição fora de casa entre as capitais nordestinas chega a atingir 56%. Enquanto Natal (RN) tem a refeição mais cara com a média de R$ 51,86, sendo também a 4ª refeição mais cara entre as capitais do Brasil, em Teresina (PI) o trabalhador paga em média R$ 33,22, a segunda mais barata do país. 

Preço de refeição fora de casa por capital nordestina (em R$)

De acordo com a pesquisa, Maceió foi a capital do Nordeste que mais registrou aumento. O trabalhador maceioense paga 40,5% a mais pela refeição fora de casa em comparação a 2022. Na contramão, Aracaju registrou redução de 13,9%, a maior queda registrada entre todas as capitais do país. 

Pesquisa

Para chegar ao preço médio foi considerada uma refeição completa composta por: prato principal, bebida não alcóolica, sobremesa e café. No total, foram coletados 5.470 preços de pratos em todo o Brasil, em estabelecimentos que  servem refeições no horário do almoço, de segunda a sexta-feira.

Ricardo Contrera, sócio-diretor da Mosaiclab, destaca que a alta da taxa de juros influencia diretamente os preços nos restaurantes. "O aumento de preços das refeições é diferente de acordo com a realidade local. Vários fatores podem influenciar tais como hábitos de consumo, dos impostos, do frete, do clima e de outros indicadores”, afirma Contrera.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

hanseníase no nordeste

Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022
mina subterrânea da Braskem ameaça afundar em Maceió após novos tremores

Caso Braskem: mina subterrânea ameaça afundar em Maceió após novos tremores

Mineradora é responsável pelo crime ambiental registrado na cidade
Capa da matéria sobre violência em ambiente escolar.

Combate à violência em ambiente escolar ganha força com nova lei

Legislação surgiu como forma de conter ataques em escolas; 2023 foi o ano com maior quantidade de casos nos últimos 22 anos
Capa da matéria sobre empreendedores surdos do Nordeste. Fundo em azul com mãos, em preto e branco, fazendo os sinais em Libras formando a palavra Negócio Acessível".

Empreendedores surdos provam que deficiência não limita capacidade de ter a própria empresa

Reportagem especial traz histórias de três empreendedores surdos e seus negócios