Nordeste tem a menor redução de mortalidade infantil de indígenas no Brasil

Seis estados registraram mais de 300 mortes nos últimos quatro anos; bebês com menos de um ano foram a maioria

Capa materia Tatu - Nordeste tem a menor redução de mortalidade infantil de indígenas no Brasil
Compartilhe

Mais de 3.100 crianças indígenas, de 0 a 5 anos, morreram no Brasil entre 2018 e 2021. A comparação entre os quatro anos indica que o Nordeste foi a região que menos reduziu os casos de óbito no período analisado, apenas 16%. As informações são do Ministério da Saúde e apontam que a maioria das mortes foi entre bebês com menos de um ano.

Os números – solicitados e disponibilizados pela agência de dados Fiquem Sabendo e analisados pela Agência Tatu– revelam que nos últimos quatro anos a população indígena do Brasil perdeu 3.126 crianças de 0 a 5 anos. Estes dados representam uma redução da mortalidade infantil de indígena no país, já que em 2018 foram registrados 879 óbitos, enquanto 2021 contabilizou 486, número 44,7% menor em todo o Brasil.

No entanto, a análise  mostra ainda que o Nordeste teve a menor redução entre todas as regiões, apenas 16%. Nos últimos quatro anos, foram 329 mortes de crianças indígenas na região.



Outro aspecto que chama atenção é que 74,5% das mortes no Nordeste aconteceram entre bebês de 0 a 11 meses. É possível observar que quanto mais a idade avançou, menos óbitos foram registrados. As crianças de 5 anos, por exemplo, representam 2,4% do total.



No ranking da redução de óbitos entre as crianças indígenas, foi na região Norte onde os casos mais despencaram. Com a maior concentração da população indígena do Brasil, o Norte reduziu de 601 mortes, em 2018, para 296 em 2021, ou seja, uma queda de 50,7% nos casos. Entre as variáveis causas listadas, estão pneumonia, parada cardíaca e outras condições especificadas por CID-10, que é a Classificação Internacional de Doenças.

A situação do Nordeste não é uma novidade para a Associação Nacional de Ação Indigenista (ANAÍ), como destaca o membro István van Deursen Varga, médico sanitarista e antropólogo: “Os dados reafirmam o que, de longa data, vimos apontando: os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs) da região foram dos mais precariamente delimitados e equipados, em 1999, como também os das regiões Sul e Sudeste, com o agravante que o Nordeste não dispõe da dimensão e resolutividade das redes de serviços de saúde do SUS dessas outras regiões”.

Docente da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e do Mestrado Profissional em Saúde da População Negra e Indígena da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), István lembra que a pandemia mostrou ainda mais a falta de assistência ao povo indígena no Nordeste. “Isso explica, em grande medida, o fato de que o DSEI-Maranhão, por exemplo, ter se tornado o DSEI com maior número de casos de Covid-19 já em julho de 2020”, acrescentou.

Apesar da queda nos números, eles não representam a totalidade de óbitos, que podem ser maiores. O próprio Ministério da Saúde informou que os dados se restringem aos registros existentes no Sistema de Informação da Atenção à Saúde Indígena (SIASI), que não tem fins censitários e, por isso, os dados podem apresentar divergências. Os casos foram registrados em 22 estados brasileiros e os números no Nordeste levam em consideração seis estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba e Pernambuco. Os estados do Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe têm comunidades indígenas, mas não aparecem na lista.

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

pessoas em situação de rua

Nordeste lidera aumento de violência contra pessoas em situação de rua

Somente em AL, mais de 300 pessoas em situação de rua foram mortas nos últimos 11 anos; Segurança Pública de diversos estados não identifica condição de vítimas ou tem dados subnotificados
Capa da matéria sobre violência em ambiente escolar.

Combate à violência em ambiente escolar ganha força com nova lei

Legislação surgiu como forma de conter ataques em escolas; 2023 foi o ano com maior quantidade de casos nos últimos 22 anos
Capa da matéria sobre empreendedores surdos do Nordeste. Fundo em azul com mãos, em preto e branco, fazendo os sinais em Libras formando a palavra Negócio Acessível".

Empreendedores surdos provam que deficiência não limita capacidade de ter a própria empresa

Reportagem especial traz histórias de três empreendedores surdos e seus negócios
idh pandemia

Apesar de menor queda do IDH na pandemia, Nordeste segue com menores índices do país

Impacto da crise sanitária foi analisado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento