Onde estão os casos suspeitos de leptospirose em Alagoas após enchente

Até esta quinta (22), seis óbitos foram confirmados e quatro estavam em investigação, segundo Boletim Epidemiológico da Sesau

Chuvas de Maio Maceió Lucas Thaynan 12 - Onde estão os casos suspeitos de leptospirose em Alagoas após enchente
Compartilhe

Mais do que os prejuízos materiais imediatos, a enchente que atingiu diversos municípios alagoanos no final do mês de maio trouxe sérios problemas de saúde à população. Até esta quinta-feira (22), foram registradas 10 mortes suspeitas por leptospirose no estado, sendo seis confirmadas e quatro ainda em investigação, segundo a Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas (Sesau).

Do total de óbitos, cinco foram confirmados na capital e um em União dos Palmares. Das 10 mortes, em três casos houve coleta de vísceras, o que vai permitir a confirmação diagnóstica por critério laboratorial. Com relação ao sexo e à faixa de idade, a maioria das mortes foi de pacientes do sexo masculino (70%) e a distribuição ocorreu por todas as faixas etárias, com maior número acima dos 30 anos.

Casos suspeitos de leptospirose pós enchente - Onde estão os casos suspeitos de leptospirose em Alagoas após enchente
Os dados relativos ao monitoramento da doença pós-enchente estão sendo contabilizados desde 30 de maio pela secretaria e são divulgados por meio de boletins epidemiológicos. De acordo com o relatório mais recente, 57 casos suspeitos de leptospirose foram identificados em habitantes dos municípios de Atalaia, Capela, Cajueiro, Coruripe, Maceió, Marechal Deodoro, Palmeira dos Índios, Pilar e União dos Palmares.

Em relação aos 47 casos notificados, sem contar os óbitos, a Sesau confirmou a leptospirose em 10, e os 37 restantes seguem sob investigação. No caso do perfil dos pacientes notificados com suspeita da doença no período pós-enchente, predomina o sexo masculino, com 33 pessoas atingidas, e crianças e jovens entre 10 e 19 anos, representando 30% do total.

Quanto à localização, o município com o maior número de casos suspeitos é Atalaia, com 20. Já Maceió aparece com o maior número de confirmações da doença: 8. A Agência Tatu elaborou um mapa interativo onde é possível consultar onde estão as notificações de casos suspeitos, incluindo confirmados e em investigação. Veja abaixo:

Transmitida pela urina de roedores infectados pela bactéria leptospira, a doença se espalha por meio do contato das pessoas com a água contaminada. A Sesau orienta que, ao procurar assistência médica, os pacientes devem informar que tiveram contato com água das enchentes, já que a doença também tem sintomatologia parecida com a dengue e chikungunya e pode acabar sendo negligenciada.

“Os sintomas iniciais da leptospirose são bastante comuns, os pacientes sentem dores musculares, dores de cabeça e febre súbita. Já na fase mais grave da doença, a pessoa começa a ter fortes dores na panturrilha, o fígado fica comprometido com o aparecimento de icterícia, quando a pele apresenta um aspecto amarelado, e surgem complicações renais e hemorragias”, explica a coordenadora do Programa de Combate à Leptospirose da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Silvana Tenório.

A técnica da Sesau alerta para a importância do rápido diagnóstico da doença com o intuito de evitar que o quadro evolua para o óbito. “Se o paciente se expôs as águas contaminadas das enchentes sem proteção, e o período do contato foi nos últimos 30 dias, é necessário procurar a unidade de saúde mais próxima ao sentir os primeiros sintomas, evitando se automedicar”.

Atendimento médico

De acordo com a Sesau, os doentes que apresentarem os sintomas iniciais devem procurar as Unidades de Pronto Atendimento (UPA), os Ambulatórios 24 Horas em Maceió, as Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos municípios e o Hospital de Campanha do Exército. Nos casos mais graves da leptospirose, o paciente deve ser encaminhado para o Hospital Escola Hélvio Auto (HEHA), unidade de referência para os atendimentos da doença.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Colagem em preto e branco de pessoas com baldes e bacias em menção aos domicílios brasileiros sem água encanada

67% dos domicílios brasileiros sem água encanada estão na região Nordeste

Em todo o país, mais de 4,8 milhões de pessoas residem em domicílios sem água canalizada
hanseníase no nordeste

Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022
Capa da matéria "Nordeste já registrou mais de 15 mil casos de dengue em 2024" publicada originalmente na Agência Tatu.

Nordeste já registrou mais de 15 mil casos de dengue em 2024

Sudeste concentra maior porcentagem dos registros no Brasil; especialistas reforçam que é fundamental manter os cuidados e prevenção
Capa da matéria "Apenas 13 a cada 100 habitantes do Nordeste têm plano de saúde" publicada originalmente na Agência Tatu.

Apenas 13 a cada 100 habitantes do Nordeste têm plano de saúde

Maranhão é o estado com menor quantitativo proporcional da região