Orgulho LGBTQIAPN+: relatos revelam sobre exclusão familiar e social 

Psicólogo fala sobre a importância do acolhimento familiar nesse momento; dados podem apontar subnotificação

Capa da matéria para o dia do Orgulho LGBTQIAPN+. Ilustração com fundo nas cores da bandeira LGBT e umas maos segurando bandeiras em preto e branco por cima.
Compartilhe

O momento de se revelar como LGBTQIAPN+, seja para a família, para amigos ou para quaisquer grupos, é muito marcante na vida de muitas pessoas. Com a proximidade do Dia Internacional do Orgulho LGBTQIAPN+, celebrado nesta quarta-feira (28), uma corrente viralizou na rede social Twitter, na última semana, com relatos de pessoas contando como foram suas experiências pessoais quando “saíram do armário”.

Entre os relatos, muitos contam sobre o trauma de ter a privacidade invadida e a decisão de se revelar sendo imposta por outra pessoa.

Apesar de muitas histórias envolverem trauma e dor, alguns compartilham experiências que demonstram compreensão e coragem para enfrentar os desafios, o que representa uma ‘exceção à regra’.

Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizada em 2019, 2,9 milhões de adultos se declararam homossexuais ou bissexuais, sendo que 3,6 milhões de pessoas não quiseram responder a pesquisa, o que pode indicar subnotificação do número.

Número de pessoas homossexuais ou bissexuais no Brasil

Dados são da Pesquisa Nacional de Saúde 2019, segundo autodeclaração dos entrevistados com 18 anos ou mais

Gráfico em barras na horizontal mostrando que o número de pessoas que se recusaram a responder a pesquisa é sempre maior que o número de pessoas que se autodeclararam como homossexual ou bissexual.

Orgulho de ser quem é

Para o piloto comercial de avião e professor de aviação, Eduardo Chianca, 28, se reafirmar como gay é uma forma de demonstrar que não há nada de errado em ser quem ele é. “Quando temos orgulho de ser quem nós somos (…) fica muito mais fácil buscar por um lugar na sociedade que comumente é fechado para a gente”, relata o paraibano.

Imagem de Educardo Chianca ao lado de uma citação dele, com fundo branco e cores da bandeira LGBTQIAPN+ ao fundo. A citação diz “A gente é ensinado a vida inteira, desde criança, de que é muito errado ser quem a gente é. Então quando a gente passa a ter esse orgulho, e a gente sabe que a gente não tem nada de errado, a gente começa a se amar e saber quem a gente é e do que a gente é capaz”.

O preconceito vivido pela população LGBTQIAPN+ (sigla que abrange pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transsexuais e travestis, Queer, Intersexo, Assexuais, Pansexuais e Não-binário) também é evidenciado na rotina de trabalho das mais diversas profissões. Eduardo Chianca menciona que na aviação, por exemplo, o conservadorismo e o preconceito ainda são grandes.

“Um grande portal de notícias sobre aviação daqui do Brasil postou sobre uma comissária trans, que foi a primeira comissária trans da Argentina, e ao noticiar isso o fizeram em tom de piada, e além disso, postou fotos do documento com o nome do registro de nascimento da comissária. Então, isso é totalmente normalizado, isso é totalmente aceito dentro da aviação, o que é mais absurdo ainda. Você abre os comentários de um post como esse e não tem ninguém falando que aquilo é errado, então isso me assusta muito, acho que a aviação precisa sim de uma grande mudança”, afirma o piloto comercial de avião, Eduardo Chianca.

Segundo Laís Ferreira, 30, que é diretora de Tecnologia Dardos Estratégias e analista de dados no Senai Alagoas, se identificar dentro da sigla como bissexual e se orgulhar disso, é também uma forma de fortalecer a comunidade e reforçar a necessidade de mais políticas públicas.

“Um LGBTQIAPN+ é um indivíduo como qualquer outro que recebe para além de sua orientação sexual o ônus e o bônus do que é estar aqui e agora. Imagine uma pessoa com diversos fatores sociais críticos, não receber apoio ou acolhimento de sua família, acredito que sem ajuda profissional essa pessoa não conseguirá se desenvolver e ter crença em dias melhores”, afirma a alagoana Laís Ferreira.

Card com imagem de Laís Ferreira ao lado de uma citação dela. Acima, listras das cores da bandeira bissexual. A citação diz: “Acredito que a importância de assumir para a sociedade fortalece a necessidade de mais políticas públicas, pois reforça em números e artefatos a existência da comunidade. Também cria a representatividade para as pessoas que seguem confusas ou com medo de viver como são.”

O acolhimento familiar

De acordo com o psicólogo Cauê Assis, que é homem trans, poeta e integra o Fórum Nacional de Travestis e Transexuais Negras e Negros (Fonatrans), é de grande importância que haja o acolhimento familiar para as pessoas que se identificam dentro da sigla, mas, na maioria das vezes, ocorre o contrário.

“Ela [família] pode e deveria ser um local de acolhimento, para que, dentro da família, a gente consiga um fortalecimento para que seja possível enfrentar algumas questões sociais, como suicídio, depressão, violência, dentre outras questões vinculadas às pessoas LGBTQIAPN+. A gente tem que pensar sempre que o caso não é só a questão da sexualidade ou da identidade de gênero, é o preconceito sofrido que causa todos esses problemas, e a gente tem que reverter isso”, explica o psicólogo Cauê Assis, que é também vice-presidente da Associação Cultural de Travestis e Transexuais de Alagoas (Acttrans).

Para Laís Ferreira, a pressão para se assumir no ambiente familiar é algo que gera muita ansiedade quanto às possibilidades imaginadas sobre a reação dos familiares. Em sua experiência pessoal, ela conta que recebeu respeito e acolhimento de algumas pessoas.

“Tentei ao máximo entender os critérios sociais que minha base familiar foi construída e daí entender seus posicionamentos quanto a este assunto. Diante disso, também não me vi na obrigação de pedir permissão quanto as pessoas que escolhia me relacionar – sendo do mesmo sexo ou não – e consegui com mais tranquilidade e naturalidade passar isso aos meus familiares. Apesar de ser bastante comunicativa e ter minha vida pessoal exposta na internet, não costumo falar sobre meu relacionamento com muitas pessoas, principalmente da família”, relata a analista de dados, Laís Ferreira.
O psicólogo Cauê Assis fez parte de uma importante conquista para as pessoas que fazem uso do nome social e ingressam na Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Ele conta que, quando ingressou no curso de Psicologia em 2016, não havia nenhuma regulamentação que tratasse sobre o uso do nome social na Universidade, sendo necessário fazer um requerimento para garantir o direito.

Desta forma, Cauê Assis contou com o apoio do curso de psicologia e do movimento estudantil e, sob muita mobilização, conseguiram aprovar, junto ao Conselho Universitário (Consuni) da Ufal, a resolução nº 29/2016 que regulamenta a utilização do nome social na instituição, para as pessoas travestis, transexuais, transgêneros e intergêneros.

“Essa foi a primeira conquista que eu consegui ter dentro da Universidade. E o fato de eu me colocar enquanto pessoa trans foi extremamente importante para que isso acontecesse”, relata o psicólogo.

Card com foto do psicólogo cauê assis e ao lado uma citação dele. Em cima, umas listras com as cores da bandeira trans. A citação diz: “Esses espaços que são compartilhados publicamente muitas vezes não são pensados para pessoas trans, então eu entendo a necessidade de falar e de me apresentar enquanto corpo trans para marcar esse espaço, para mostrar que eu transito além dos lugares esperados que são para o trânsito do corpo trans. Pois, de uma maneira geral, a gente está sempre vinculando a transsexualidade e a travestilidade aos espaços de exclusão”.

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Ilustração com fundo laranja e o mapa de alagoas ao fundo e uma colagens de cadeiras de escola com um ventilador de teto em cima.

Emergência climática: a cada 10 escolas públicas em AL, 6 não têm climatização

Belém, São Brás e Taquarana são as cidades que menos possuem climatização em sala de aula
Capa da matéria "Mais de 285 mil famílias no Nordeste não tem banheiro em suas casas" publicada originalmente na Agência Tatu.

Mais de 285 mil famílias no Nordeste não tem banheiro em suas casas

Maranhão é o estado com maior quantitativo de domicílios sem banheiro em todo o país
Capa da matéria "6 a cada 10 deputados do Nordeste votaram contra pautas ambientais" publicada originalmente na Agência Tatu

6 a cada 10 deputados do Nordeste votaram contra pautas ambientais

Maioria dos votos é de parlamentares de partidos de direita, extrema-direita e centro
Colagem em preto e branco de pessoas com baldes e bacias em menção aos domicílios brasileiros sem água encanada

67% dos domicílios brasileiros sem água encanada estão na região Nordeste

Em todo o país, mais de 4,8 milhões de pessoas residem em domicílios sem água canalizada