A cada 100 casamentos, Nordeste registra 29 divórcios

Dados do Registro Civil revelam que casamentos e divórcios voltaram a crescer em 2021, após período de queda no primeiro ano da pandemia

Capa da matéria "A cada 100 casamentos, Nordeste registra 29 divórcios" publicada originalmente na Agência Tatu. Trata-se de uma ilustração digital de um papel rompido com duas alianças, mas uma esta em cada lado.
Compartilhe

A cada ano, milhares de casais formalizam a união, no entanto, o contrário também acontece. Entre 2013 e 2021, os estados da região Nordeste registraram uma média de aproximadamente 29 divórcios a cada 100 casamentos. Em termos absolutos, foram 619.959 divórcios e 2.123.380 casamentos ao longo dos nove anos.

Segundo dados do Registro Civil, coletados pela Agência Tatu, quando comparadas à população e o número de casamentos realizados, Pernambuco possui o maior percentual, foram 4,73% casamentos em relação à sua população de 9.051.113 habitantes. Alagoas aparece em seguida, com 4,38%. Em terceiro, o Ceará registrou 4,07%.

Em relação aos divórcios, Alagoas apresenta a maior taxa, com 1,55% em relação à sua população de 3.125.254 habitantes. O Ceará ocupa o segundo lugar na estatística, com 1,30% de divórcios. A Bahia completa o trio, registrando uma taxa de 1,17% de divórcios em relação à sua população.

Volta aos patamares pré-pandemia em 2021

No primeiro ano da pandemia da Covid-19, 2020, o número de casamentos caiu significativamente quando comparado com o ano anterior, mas já em 2021 os números estiverem próximos ao que era registrado em 2019. Na região Nordeste, em 2020, foram 171.686 casamentos, enquanto em 2021 esse número subiu para 219.331, representando um aumento de 27,7%. 

Casamentos e divórcios no Nordeste

Dados são do Registro Civil sobre os casamentos e divórcios registrados entre 2013 e 2021 na região

Na Bahia, os casamentos saltaram de 45.888 para 61.097, representando um aumento expressivo entre 2020 e 2021. Em Pernambuco, o número subiu de 33.814 para 44.101, e no Maranhão passou de 17.936 para 21.481 casamentos.

Quanto aos divórcios, os dados mostram um crescimento similar. Em 2020, o total de divórcios no estados do Nordeste foi de 59.365, e em 2021 esse número subiu para 74.507, representando um aumento de 25,5%. 

Os estados da Bahia, Ceará e Maranhão registraram um aumento significativo no número de divórcios. No Ceará, o número subiu de 8.578 para 12.254 divórcios, enquanto na Bahia, houve um crescimento de 15.864 para 19.244 divórcios. Já no Maranhão, os divórcios passaram de 6.461 para 9.661, evidenciando um aumento expressivo em todos os três estados.

Esses dados sugerem que, após um período de redução durante o primeiro ano da pandemia em 2020, o número de casamentos e divórcios no Nordeste retornou aos patamares pré-pandemia em 2021.

Também é possível observar que os anos que tiveram maior número de casamentos, do período analisado, foram 2014, 2015 e 2016, respectivamente. Enquanto o maior número de divórcios foi registrado em 2021, 2018 e 2019, respectivamente.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

hanseníase no nordeste

Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022
pessoas em situação de rua

Nordeste lidera aumento de violência contra pessoas em situação de rua

Somente em AL, mais de 300 pessoas em situação de rua foram mortas nos últimos 11 anos; Segurança Pública de diversos estados não identifica condição de vítimas ou tem dados subnotificados
chuva de granizo no nordeste

Chuva de granizo já surpreendeu 90 municípios do Nordeste em 5 anos

Somente nos últimos 15 dias de 2023, 17 cidades da região vivenciaram o fenômeno
Capa da matéria sobre violência em ambiente escolar.

Combate à violência em ambiente escolar ganha força com nova lei

Legislação surgiu como forma de conter ataques em escolas; 2023 foi o ano com maior quantidade de casos nos últimos 22 anos