É falso: casos de câncer não aumentaram após vacinação contra Covid-19

O Instituto Nacional do Câncer informou que não houve aumento de casos de câncer após a vacinação. Números do Datasus mostram redução entre o número de 2019 e o de 2022

casos de câncer não aumentaram após vacinação
Compartilhe

Circula nas redes sociais a insinuação de que a imunização teria relação com um suposto aumento de casos de câncer no país. O Instituto Nacional de Câncer, o INCA, e outros órgãos de saúde desmentiram a ideia. Dados oficiais obtidos a partir da plataforma Tabnet, do Datasus, mostram redução de diagnósticos de câncer entre 2019 e 2022.

O que estão dizendo?

A informação circula com uma foto da ex-jogadora da seleção brasileira de vôlei, Paula Borgo, que morreu vítima de um câncer de estômago. A imagem da atleta é usada para insinuar que casos de câncer teriam aumentado após a imunização contra a Covid-19.

Oxe, é Fake

Não há nenhuma evidência de que haja relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e casos de câncer, como informou o Instituto Nacional de Câncer (INCA) ao Nordeste Sem Fake. “Não há registro de aumento de casos oncológicos durante ou pós Covid-19 associado a infecção por SARS-CoV2 ou mesmo pela vacina”, afirmou o instituto, que é referência nacional em pesquisa e tratamento do câncer.

A Agência Tatu também analisou o número de diagnósticos de câncer no Brasil a cada ano. Os dados são do Datasus.

Histórico de diagnósticos do câncer no Brasil

Passe o mouse sobre a linha e veja o número de casos por ano

A série histórica mostra uma tendência de aumento no número de diagnósticos de câncer ano após ano. Entre 2017 e 2018, por exemplo, o aumento foi de 48%. No entanto, na comparação entre 2019 - ano sem pandemia - e 2022 (com mais de 180 milhões de pessoas imunizadas com a 1ª dose), houve uma redução de 1,91% nos diagnósticos de câncer.

Em 2020 o número de casos diagnosticados caiu 8,8% e voltou a subir (7,5%) no ano seguinte. A oncologista Ignez Braghiroli, membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), relaciona esse movimento aos efeitos da pandemia. “A pandemia causou atraso de exames, dificuldade de acesso a consultórios e as pessoas ficaram sem ir ao médico. [Depois], voltaram a fazer seus exames e começou a ter diagnóstico”, aponta.

A oncologista reforça que não existe relação entre vacinas e o câncer. “As vacinas não causam câncer. Pelo contrário, elas protegem: a de hepatite B protege contra câncer do fígado, a de HPV protege contra câncer do colo do útero”, explica a médica.

O Ministério da Saúde se posicionou sobre a circulação do conteúdo falso e fez um alerta nas redes sociais. “Todas as vacinas passam por rigorosos testes e análises antes de serem aplicadas na população e não há qualquer comprovação científica quanto ao risco de pessoas desenvolverem câncer por serem vacinadas”, diz a postagem. 

Nordeste Sem Fake

A editoria Nordeste Sem Fake, da Agência Tatu, monitora diariamente diversas redes sociais em busca de publicações com conteúdos potencialmente falsos. Mais checagens de fatos estão disponíveis no site.

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

é verdade que estacionamento recuado não é privativo

É verdade! Estacionamento recuado não pode ser privativo

Explicação de advogada com base em resolução do Contran viralizou no Tiktok
Lula não "prendeu" águas do Cinturão das Águas

É falso que governo Lula tenha interrompido abastecimento do Cinturão das Águas do Ceará

Trecho seco do Cinturão das Águas, mostrado em vídeo compartilhado em redes sociais, nunca recebeu água, pois ainda não foi inaugurado pelo Governo do Ceará
é fake que carne de cachorro será distribuída em creches

É falso! Município de Apodi não autorizou distribuição de carne de cachorro em creches

Vídeo distorce informação de proposta de vereador do município do Rio Grande do Norte
Fake pessoas em situação de rua em Florianópolis

Pessoas em situação de rua foram enviadas da Bahia a Florianópolis? É falso!

Inquérito da Polícia Civil aponta irregularidade de transporte clandestino, mas descarta situação de rua de passageiros