Deputados alagoanos recebem mais de R$ 40 mil para atividade parlamentar por mês

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Série com três reportagens analisa informações disponíveis no site da Câmara dos Deputados; os dados se referem aos parlamentares eleitos em 2014

Por Agência Tatu

Em outubro de 2014 os alagoanos foram às urnas e escolheram agentes públicos para representá-los tanto no Executivo, quanto no Legislativo. Entre eles, nove deputados federais foram eleitos para propor e aprovar leis, debater políticas públicas, fiscalizar o Executivo, aprovar orçamento e executar outras funções pertinentes ao cargo.

Além de seus salários, de R$ 33.763,00 mensais, esses parlamentares recebem uma verba adicional para realizarem suas tarefas, que é a Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap). Uma série com três reportagens da Agência Tatu traz diversas informações coletadas no site da Câmara dos Deputados e em dados dispostos no Portal de Transparência do órgão, para revelar como gastam os parlamentares alagoanos.

Regulamentação da verba

De acordo com informações da assessoria de comunicação da Câmara dos Deputados, a Ceap foi instituída por meio do Ato da Mesa nº 43 de 2009, que detalha as regras para o uso da verba, determinando que só podem ser indenizadas e ressarcidas despesas retroativas em até 90 dias referentes a passagens aéreas, telefonia, serviços postais, manutenção de escritórios de apoio à atividade parlamentar, entre outras. Confira no infográfico a seguir todos itens com os quais os deputados podem utilizar a cota:

A cientista política e professora da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Luciana Santana, destaca a importância da verba, desde que ela seja utilizada para o intuito pela qual foi instituída.

“Toda a parte política, nela acontece ali [dentro dos gabinetes]. Então, por isso, todos os deputados têm um staff de confiança e parte dessa verba indenizatória é para subsidiar também esses comissionados que estão ali e os gastos com passagens, diárias, que são necessários para os deslocamento permanente desses parlamentares […] Se você me perguntar se a verba indenizatória é importante, eu acho que sim. Agora se o percentual destinado a isso é realmente esse? Eu acredito que aí precisaremos ponderar”, comenta.

Valor da Cota por Estado

O valor da cota varia para cada estado, levando em consideração os diferentes preços das passagens aéreas do local de origem do parlamentar para Brasília. Em Alagoas, cada deputado federal tem o direito ao reembolso de R$ 40.944,10 mensal. Em quatro anos de mandato, os nove parlamentares podem gastar mais de R$17 milhões e 687 mil. Esse valor representa a 3ª menor cota do Nordeste, ficando atrás de Sergipe e da Bahia. O Rio Grande do Norte, por sua vez, apresenta o maior valor da verba da região. A nível Nacional, os deputados de Roraima são os que recebem o valor mais alto da verba, enquanto os do Distrito Federal recebem o menor. Veja no mapa.

Loading...

Loading…

 

O número de deputados federais também varia de acordo com o tamanho da população do estado, diferente do que acontece com senadores, por exemplo. O menor número de deputados que um estado pode ter é de oito, como em Sergipe, por exemplo. Em São Paulo, 70 parlamentares representam o estado.

Com uma população de aproximadamente 3,322 milhões, conforme indica dados do Instituto Brasileiro Geográfico e Estatístico (IBGE), Alagoas elege nove deputados a cada quatro anos.

 

Caso o deputado utilize da verba para fins que não sejam o pleno exercício da atividade parlamentar, o também cientista político e professor da Ufal, Ranulfo Paranhos, explica que ele pode cometer crime de Responsabilidade Fiscal ou até mesmo corrupção. “Se ele usa a cota para comprar passagens para ir a um casamento, por exemplo, fugiu da funcionalidade, do princípio da cota, isso incorre já em um tipo de crime de responsabilidade fiscal”.

Fiscalização 

A fiscalização dos gastos dos parlamentares é feita pela Coordenação de Gestão de Cota Parlamentar, vinculada ao Departamento de Finanças, Orçamento e Contabilidade da Câmara. A responsabilidade pela liquidação da despesa é do próprio deputado, que assina uma declaração atestando a compatibilidade do objeto do gasto com a legislação, conforme informou a assessoria da Câmara dos Deputados.

Ainda segundo o órgão, os reembolsos efetuados são periodicamente objeto de auditoria por parte da Secretaria de Controle Interno da Câmara.

“A instituição tem adotado várias medidas para aprimorar os procedimentos de controle e utilização da cota. Entre elas, estão iniciativas que facilitam a fiscalização dos gastos parlamentares pela sociedade e pelos órgãos de fiscalização externa, como a obrigatoriedade de digitalização das imagens dos comprovantes de despesas, publicadas na área de transparência do portal, e a reformulação do sistema de pesquisa da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar, que hoje possibilita, de forma simples, o cruzamento de vários dados “, relata a assessoria.

Para o cientista político, a parte da fiscalização não é efetiva. “Quando observamos o comportamento da fiscalização, você tem a transparência, que é muito bom, é um dado que você localiza com facilidade, mas eu não tenho controle pós-transparência. Eu tenho o dado que é divulgado, mas depois é só apresentar nota que acabou. A câmara não tende a identificar erros e cobrar de volta o que seria o controle”, complementou Paranhos.


Leia mais:

DADOS ABERTOS – Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:


Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você