Forma de consumir notícias no Brasil e mundo mudou; confira como

Relatório internacional pontua fenômenos e dados recentes da comunicação

Imagem gráfica com pessoa lendo jornal, outra com notebook e mão segurando um celular lado a lado e dentro de plano roxo e rosa com elementos que remetem a aceleração e mídias
Compartilhe

A agência internacional de notícias Reuters publicou recentemente um relatório com dados importantes sobre o consumo midiático no mundo, nos continentes e países. O ponto central do estudo é a forma como as pessoas consomem notícias, além de apresentar dados sobre os formatos e meios preferidos dos leitores. 

A pesquisa considerou apenas as populações online dos locais, com isso países como Índia e África do Sul ficaram com dados comprometidos, já que têm baixa porcentagem de inclusão digital. Entenda mais sobre o tema clicando aqui

Por outro lado, o Brasil conta com 83% da população no meio digital, sendo o sexto entre os países da América em presença digital. O primeiro lugar é ocupado pelo Chile com 97% da população online. Veja o percentual de presença online dos países americanos na tabela a seguir: 

Considerando todos os que usam a internet em cada continente e país as descobertas mais importantes da pesquisa sobre o consumo de informações no último ano são:

Meios e formatos:

  • Podcasts não são preferências mundiais, 34% dos nativos digitais acessam plataformas de áudio mensalmente.
  • Apenas 22% dos consumidores de notícias online preferem as informações por website e aplicativos;
  • O consumo de mídia tradicionais como jornais impressos e televisão caiu, hoje são 48% interessados mundialmente, em 2017 eram 67%;
  • A maioria dos consumidores preferem ler as notícias, deste modo podem controlar o tempo que passam no material;
  • O consumo de vídeos é preferência no mercado de propagandas; 
  • A confiabilidade em notícias e informações caiu, apenas 4 de 10 usuários afirmam confiar na maior parte do tempo;
  • O pagamento pelo consumo de notícias é característica dos países mais ricos, 17% da população digital destes paga manter-se informados;

Redes sociais:

  • O Facebook é a rede social mais usada até então;
  • O TikTok cresceu 44% no mercado geral e 22% em notícias;
  • O público do Tiktok, Instagram e Snapchat tem preferência por conteúdos relacionados a celebridades e influencers;
  • As redes sociais com maior foco no consumo de jornalismo e notícias mundialmente é o Facebook e Twitter;

Países em evidência:

  • A Grécia é o país com menor percentual de confiabilidade em notícia, 19% afirmam confiar nas informações; 
  • O Japão e o Reino Unido possuem apenas 9% da população pagando por informações, o menor percentual mundial;
  • Filipinas e Tailândia são os únicos países com preferência em outros formatos de consumo, como vídeo;
  • A Finlândia é o país com maior percentual de confiabilidade em notícias, com 69% dos nativos digitais afirmando confiar na maior parte do tempo;
  • A Noruega tem 39% da população digital pagando pelo consumo, o maior percentual mundial;

No Brasil 

O contexto político acirrado vivido no país em 2022 é considerado como evento principal e norteador no âmbito midiático. Para se ter uma ideia, a pesquisa mostrou que 41% dos brasileiros evitaram notícias no período eleitoral e o aumento de casos de insultos e intimidação contra jornalistas cresceu em 133%. 

A confiabilidade nas notícias no país caiu em 19 pontos percentuais de 2015 para 2023. Na primeira pesquisa, 62% dos brasileiros confiavam nos principais canais midiáticos do país, já em 2023 o percentual cai para 43%. 

Em relação ao consumo de internet, 8 em cada 10 pessoas acessam a internet no Brasil. A rede social mais utilizada é o Facebook, mesmo descendo 12 pontos percentuais em dois anos. Atualmente 35% dos usuários brasileiros estão na rede da Meta. 

Os vídeos curtos com o TikTok têm se popularizado no país, crescendo com os maiores conglomerados de mídia presentes na plataforma, como O Globo, Folha de S. Paulo e Estadão. Da mesma forma, o consumo de podcast cresce, na contramão do mundo.

O relatório destaca que o desinteresse dos usuários por notícias negativas e histórias diárias é uma preocupação significativa. O jornalismo resiliente, positivo e esclarecedor tem se tornado a preferência quando se trata de informações factuais e trágicas. Essas mudanças podem ser atribuídas ao contexto global da guerra ucraniana e ao período pós-pandemia. É evidente que a população digital está buscando alívio mental, até mesmo nas notícias, diante dos recentes impactos históricos em diversos setores da sociedade.

Marco Pellegatti, renomado especialista em estratégias de negócios e desenvolvimento empresarial formado pela Universidade de São Paulo, corrobora com essa perspectiva ao confirmar a fadiga mundial em relação aos acontecimentos negativos. Ele conclui afirmando: "Além dos fatores conjunturais que mencionei, acredito que muitos leitores estão em busca de histórias inspiradoras e motivadoras, uma necessidade humana que sempre existiu e que talvez esteja se fortalecendo cada vez mais."

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

capa fake violencia alagoas - É  falso! Violência em Alagoas não aumentou em 2023

É  falso! Violência em Alagoas não aumentou em 2023

Dados de 2022 e 2023 mostram redução de 1,2% no número de casos de mortes violentas intencionais; feminicídio teve queda de 34%
SururuBot Agencia Tatu - Agência Tatu lança robô que escreve matérias de utilidade pública com auxílio de IA

Agência Tatu lança robô que escreve matérias de utilidade pública com auxílio de IA

Projeto piloto divulga vagas de emprego em Maceió e é o primeiro da startup que utiliza Inteligência Artificial generativa; todo conteúdo passa por revisão humana
joao do pulo moscow 1980 - Brasil olímpico: país conquista medalhas desde 1922

Brasil olímpico: país conquista medalhas desde 1922

Melhor desempenho do país foi em 2016, quando sediou os jogos
mulher segura bloco de construção criado com materiais recicláveis de carapaças de siri

Blocos ecológicos: carapaças e conchas se tornam material de construção em Alagoas

Reportagem especial da Agência Tatu mostra como resíduos se transformaram em materiais sustentáveis através da ciência