Mais de mil crianças e adolescentes sofreram violência nos últimos dois anos em AL

Violência sexual é maioria dos casos registrados no estado; confira

Crianca triste - Mais de mil crianças e adolescentes sofreram violência nos últimos dois anos em AL
Compartilhe

Apesar de estarem em uma idade em que a proteção e segurança deveriam ser garantidas, 1072 crianças e adolescentes foram vítimas de violência em Alagoas, nos últimos dois anos. É o que revelam os dados analisados pela Agência Tatu, fornecidos pela Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev).

De acordo com as informações coletadas, dos casos de agressão registrados contra crianças e adolescentes em 2019 e 2020, quase 60% foram de violência sexual. Do total, 74% aconteceu contra meninas, que apresentam idade média de apenas 12 anos.

Também é possível perceber diferenças no tipo de violência sofrida por meninos e meninas alagoanos. Enquanto a maioria dos casos de violência contra meninos de até 12 anos estão relacionados à violência física, os casos que envolvem meninas apresentam um perfil diferente. Confira, abaixo, no gráfico:

Os dados são preocupantes, mas a realidade pode ser ainda pior. Em 2020 houve redução no número de registros, mas isso pode ter acontecido por conta de uma subnotificação gerada pela pandemia do novo coronavírus, vivida desde março do ano passado. Enquanto em 2019 foram registrados 710 casos, ano passado foram apenas 362.

“Desde o início da pandemia, por exemplo, as escolas estavam sem funcionar e elas são uma das principais portas de entrada para as denúncias de violência contra criança e adolescente”, alerta a Secretaria de Prevenção à Violência em nota, enviada via assessoria de comunicação.

Como denunciar?

As denúncias podem ser feitas pelo Disque 100, pelo 0800 280 9390 ou pelo aplicativo da Seprev VIOLÊNCIA ZERO, disponível de forma gratuita para telefones Android. Baixe aqui!

A Seprev atua no eixo da prevenção e no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência, através de atendimento psicossocial e jurídico do Núcleo de Atendimento a Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência (NACAVV). Apenas em 2020, foram realizados 804 atendimentos.

NACCAV VIOLENCIA SEXUAL 1 - Mais de mil crianças e adolescentes sofreram violência nos últimos dois anos em AL
Naccav fica localizado na Casa de Direitos, no Mirante do Jacintinho (Foto: Vitor Beltrão/Seprev)

Além disso, o órgão possui uma equipe multidisciplinar no Instituto Médico Legal de Maceió para o primeiro atendimento da criança e adolescente vítima de violência. A secretaria também afirma trabalhar para fortalecer e integrar o Sistema de Garantia de Direitos e as formas de denúncia de crimes contra criança e adolescente.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

fake cepa braskem - É falso! Colapso de mina da Braskem não deve afetar principal avenida de Maceió

É falso! Colapso de mina da Braskem não deve afetar principal avenida de Maceió

Avenida Fernandes Lima está fora da área de risco; Entenda nos mapas
mulher segura bloco de construção criado com materiais recicláveis de carapaças de siri

Blocos ecológicos: carapaças e conchas se tornam material de construção em Alagoas

Reportagem especial da Agência Tatu mostra como resíduos se transformaram em materiais sustentáveis através da ciência
capa fake violencia alagoas - É  falso! Violência em Alagoas não aumentou em 2023

É  falso! Violência em Alagoas não aumentou em 2023

Dados de 2022 e 2023 mostram redução de 1,2% no número de casos de mortes violentas intencionais; feminicídio teve queda de 34%
SururuBot Agencia Tatu - Agência Tatu lança robô que escreve matérias de utilidade pública com auxílio de IA

Agência Tatu lança robô que escreve matérias de utilidade pública com auxílio de IA

Projeto piloto divulga vagas de emprego em Maceió e é o primeiro da startup que utiliza Inteligência Artificial generativa; todo conteúdo passa por revisão humana