Piseiro é o ritmo mais ouvido no Nordeste

Dados do YouTube Charts revelam ritmos musicais dominantes na região e em todo o país

Ilustração com fundo verde com símbolo de tocador de música e mapa delineado da região nordeste
Compartilhe

A caminho do trabalho, durante o expediente, arrumando a casa ou no fim de semana para se divertir. A música está presente em muitos momentos na rotina dos brasileiros. Antes em vinis e vitrolas, depois em CDs, MP3s, pen-drives e, enfim, em plataformas online, que revelam o que os brasileiros mais ouvem. 

De acordo com dados do YouTube Charts, coletados pela Agência Tatu, entre maio e julho de 2022 o forró “piseiro” conquistou o primeiro lugar no ranking de todos os estados do Nordeste. A cantora cearense Mari Fernandez foi a artista mais ouvida da região. 

O segundo artista mais escutado em Alagoas, Sergipe, Paraíba e Piauí é o cantor de forró Nattan. A cantora de sertanejo Marília Mendonça é a segunda mais ouvida no Rio Grande do Norte e no Maranhão. Já em Alagoas, Bahia, Pernambuco, Piauí e Sergipe Marília ocupa a terceira colocação, enquanto na Paraíba é a quinta mais ouvida. Falecida em um acidente de avião em novembro do ano passado, Marília Mendonça também foi uma das mais ouvidas entre maio de 2020 e maio de 2021 em Alagoas

João Gomes, Gusttavo Lima e Wesley Safadão também aparecem com frequência nas primeiras colocações no Nordeste, e são artistas que cantam piseiro, sertanejo e forró respectivamente. Em Pernambuco, o cantor de funk MC Tocha se destaca como o quinto artista mais ouvido do estado.

Panorama nacional  

Na região Norte, Mari Fernandez é a artista mais ouvida no Acre e Pará, enquanto Marília Mendonça no Amapá e Amazonas. Gusttavo Lima esteve em primeiro lugar em Rondônia e Roraima, mas no Tocantins os mais escutados foram Henrique e Juliano.

No Sudeste os ritmos mais ouvidos são diferentes dos citados anteriormente. O sertanejo continua dominando, mas divide espaço com o rap nos primeiros lugares. Gusttavo Lima aparece em primeiro lugar no Espírito Santo e em Minas Gerais. Filipe Ret é o primeiro no Rio de Janeiro. Já em São Paulo, a artista mais escutada é Marília Mendonça.  

Em Goiás, Mato Grosso, Brasília e Mato Grosso do Sul, no Centro-Oeste, o primeiro lugar é da dupla Henrique e Juliano; o segundo é de Gusttavo Lima e em terceiro de Marília Mendonça. Na região Sul, a dupla Henrique e Juliano ocupa o primeiro lugar do ranking no Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, já o segundo é de Marília Mendonça, enquanto o terceiro é ocupado por Gusttavo Lima. O sertanejo foi unânime nas duas regiões entre maio e julho de 2022, assim é o principal ritmo ouvido pelos brasileiros no YouTube no período.

*Estagiária sob supervisão da editoria

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Capa da matéria sobre empreendedores surdos do Nordeste. Fundo em azul com mãos, em preto e branco, fazendo os sinais em Libras formando a palavra Negócio Acessível".

Empreendedores surdos provam que deficiência não limita capacidade de ter a própria empresa

Reportagem especial traz histórias de três empreendedores surdos e seus negócios
Capa da matéria "Nordeste é destaque em 11 escolas de samba do Carnaval do Rio de Janeiro e São Paulo" publicada originalmente na Agência Tatu.

Nordeste é destaque em 11 escolas de samba do Carnaval do Rio de Janeiro e São Paulo

Homenagens destacarão personagens e elementos presentes na cultura regional
pessoas em situação de rua

Nordeste lidera aumento de violência contra pessoas em situação de rua

Somente em AL, mais de 300 pessoas em situação de rua foram mortas nos últimos 11 anos; Segurança Pública de diversos estados não identifica condição de vítimas ou tem dados subnotificados
Quilombolas no Nordeste

A cada 10 quilombolas do Nordeste, apenas 1 vive em território delimitado

Censo 2022 contabilizou 905.415 quilombolas na região; estados do Nordeste concentram mais de 68%, no entanto, menos de 10% em territórios quilombolas