Programa de aquisição de alimentos beneficia agricultores e população carente de AL

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Valor dos produtos comprados da agricultura familiar em 2021 é de R$5 milhões de reais até o momento

Maria Luíza Ávila*

Reprodução: Seagri/AL

A agricultura familiar é um dos pilares da alimentação dos brasileiros, sendo responsável por garantir boa parte do que é consumido em nosso território. Mas para isso, é necessário que ocorra a distribuição desses alimentos perecíveis, que são produzidos em grande quantidade. De acordo com dados do Programa de Aquisição de Alimentos, analisados pela Agência Tatu, de janeiro a agosto de 2021 foram distribuídos mais de 1,9 toneladas de alimentos oriundos de agricultores do estado.

Ainda segundo os dados coletados, esse valor já é maior que o distribuído em todo o  ano de 2019, quando foram repassadas 1,09 toneladas. Já em 2020, foram compradas e distribuídas 2,5 toneladas de alimentos. O PAA busca promover o acesso à alimentação e incentivar a agricultura familiar, e é executado desde 2017 pelo Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável de Alagoas, a EMATER, em parceria com o Ministério da Cidadania.  

Os alimentos são comprados diretamente da agricultura familiar e destinados, de forma simultânea, a instituições que atendem pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional. Somente este ano foram 1.308 pequenos agricultores contratados.

O coordenador do Programa de Aquisição de Alimentos , Vinícius Brito, explica que o cadastro dos agricultores familiares é baseado nos atendimentos dos técnicos da EMATER, que são registrados no aplicativo de gestão da instituição. 

“Com todo o volume de execução apresentado nos últimos anos, se construiu uma relação de confiança com os agricultores familiares, que fez surgir uma grande demanda dos agricultores familiares de Alagoas na participação nessa política pública”, completa.

A ROTA DO ALIMENTO

A intermediação é feita por instituições como o Mesa Brasil, programa do Serviço Social do Comércio (Sesc), que é uma das 194 unidades recebedoras dos alimentos em Alagoas. A coordenadora do programa em Alagoas, Sandra Nemézio, explica que a maioria dos produtos recebidos são alimentos perecíveis, como macaxeira, batata, inhame, lácteos e outras hortaliças. 

É no Banco de Alimentos do Mesa Brasil, localizado no bairro da Levada, na capital, que são direcionadas as doações do Programa. Os alimentos são averiguados para garantir a qualidade do produto e, a partir disso, a distribuição é feita de forma simultânea para as famílias cadastradas.

“As frutas e verduras podem ter perdido o valor comercial, porque às vezes estão maduras, mas não perderam o valor nutricional. Trabalhamos com nutricionistas para atestar a qualidade do alimento antes de realizar a distribuição”, detalha.

*Estagiária sob supervisão da Editoria


DADOS ABERTOS | Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Assine a nossa newsletter

Recomendadas pra você

Receba conteúdo gratuito da Tatu diretamente no seu WhatsApp.