Tsunami no Brasil? É fake! Maré em Maceió não tem relação com fenômeno catastrófico

Vídeo relacionando maré baixa de Maceió com a formação de tsunami se trata de desinformação

É fake que maré baixa tem relação com tsunami
Compartilhe

Circula nas redes sociais a ideia de que a paisagem vista em Maceió em todas as marés baixas, que ocorrem duas vezes ao dia, seria um sinal de que a capital alagoana poderia sofrer com um tsunami. 

O Nordeste Sem Fake conversou com dois especialistas que explicam que as ideias que estão circulando não fazem sentido e que o conteúdo é sensacionalista.

O que estão dizendo?

Vários vídeos circulam no Youtube e Tiktok com a ideia de que um tsunami poderia atingir o Brasil em breve. Para tentar sustentar a informação falsa, a paisagem da orla de Maceió tem sido usada como exemplo dos supostos sinais de que o fenômeno catastrófico estaria prestes a acontecer no Brasil. 

Em um vídeo, um homem, que não se identifica, utiliza uma foto da Praia da Ponta Verde do momento em que a maré está baixa. “Estamos vendo coisas que nunca vimos antes no Brasil. As águas do mar estão desaparecendo, um fenômeno que muitos não sabem decifrar. Se o mar está desaparecendo, ele vai voltar. Os pesquisadores são avisados pela própria natureza e o sinal que mais prevalece é esse”, afirma. 

O homem iniciou o vídeo com a promessa de apresentar estudos científicos que comprovam a previsão de um tsunami, mas em nenhum momento isso se concretiza. Ele até cita que em um país, após a água do mar baixar, houve tsunami, no entanto não menciona o lugar. Apenas são repassadas ideias em um tom alarmista. 

Oxe, é Fake

Não faz sentido relacionar a maré baixa vista na Praia da Ponta Verde com o surgimento de um tsunami. O oceanógrafo Gabriel Le Campion explica que o recuo do mar em uma situação de tsunami seria muito maior do que o simples evento de maré baixa, devido ao perfil da costa litorânea do Nordeste.

“Estamos localizados em uma placa tectônica de margem passiva, ao contrário do Chile, Peru, Califórnia, México e Japão, por exemplo. Tsunamis são mais frequentes em regiões de limites de placas, margens ativas, onde uma placa se atrita com a outra ou em explosões de vulcões submarinos em ilhas oceânicas, que não é o nosso caso”, afirma Le Campion. 

Professor de Oceanografia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Gabriel explica que embora tsunamis também desloquem grandes massas de água, o avanço de um tsunami levaria apenas poucos minutos para ocorrer após um rápido recuo da água do mar, o que não é o caso . “A energia do tsunami não forma onda no oceano, mas propaga-se como uma vibração, que viaja entre 650 a 850 km/h, ou seja, em no máximo 4 minutos atingiria a costa”, pontua.

Confira o vídeo recomendado pelo professor Gabriel Le Campion e entenda o fenômeno das marés

Sobre o movimento de maré baixa em Maceió, o pesquisador Henrique Ravi, doutor em Geociência e líder do Grupo de Estudos Integrados ao Gerenciamento Costeiro (GEIGERCO), afirma que esse tipo recuo do mar não é novidade, mas que é um evento natural, previsto e comum. 

“Esse movimento ocorre duas vezes por dia, com intervalos aproximados de 6 horas entre o nível alto denominado de preamar e o baixo baixa-mar, com diferença de no máximo dois metros. Essa maré é influenciada diretamente pelas forças de atração do sol e principalmente da lua sobre nosso planeta, sendo denominadas de marés astronômicas. As maiores preamares e baixa-mares ocorrem nos momentos de lua cheia e nova, sendo esse movimento natural denominado de maré de sizígia”, detalha Ravi.

Registro feito na Praia de Ponta Verde em janeiro de 2006

Registro feito na Praia de Ponta Verde em janeiro de 2006 | Foto: Tissiana Sousa / Wikimedia Commons

Henrique Ravi, que também é professor da Ufal, reforça que não há estudos ou evidências científicas que indiquem a possível ocorrência de tsunamis na costa brasileira. “Não há porque se cogitar se poderá haver um tsunami ou não, visto que não é um fenômeno recorrente no oceano atlântico”, tranquiliza o pesquisador. 

Henrique conferiu o post checado pelo Nordeste Sem Fake e definiu a ideia falsa como sensacionalista, o que pode gerar medo ou pânico na população. Ele citou ainda que o último relato do Brasil ter sofrido reflexo de um tsunami é do século XVIII, em 1755, quando houve o maior terremoto sentido na Europa que atingiu fortemente Lisboa, em Portugal. 

Nordeste Sem Fake

A editoria Nordeste Sem Fake, da Agência Tatu, monitora diariamente diversas redes sociais em busca de publicações com conteúdos potencialmente falsos. Mais checagens de fatos estão disponíveis no site.

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

Lula não "prendeu" águas do Cinturão das Águas

É falso que governo Lula tenha interrompido abastecimento do Cinturão das Águas do Ceará

Trecho seco do Cinturão das Águas, mostrado em vídeo compartilhado em redes sociais, nunca recebeu água, pois ainda não foi inaugurado pelo Governo do Ceará
é verdade que estacionamento recuado não é privativo

É verdade! Estacionamento recuado não pode ser privativo

Explicação de advogada com base em resolução do Contran viralizou no Tiktok
produção rural

É falso! Nordeste não perdeu 9 bilhões de produção rural em 2023

Valor Bruto da Produção Agrícola de 2023 só será fechado em dezembro
é falso que Dino estava com assassino de Marielle

Homem dançando ao lado de Dino em vídeo é o governador do MA, e não acusado de mandar matar Marielle

Post mente ao sugerir que homem dançando ao lado de Flávio Dino, ministro do STF, seria Domingos Brazão