Com metro quadrado mais caro, maceioense demoraria 20 anos para comprar casa própria

Cálculo leva em consideração valor do m²: e renda média dos moradores de Alagoas; veja situação em outras capitais do Nordeste

Capas tempocompradeimovel Tatu - Com metro quadrado mais caro, maceioense demoraria 20 anos para comprar casa própria
Compartilhe

Vinte anos. Esse é o tempo médio que um maceioense demoraria para comprar uma casa própria na cidade, que apresenta o metro quadrado mais caro entre as cidades nordestinas analisadas pelo FipeZap. Isso, caso comprometesse toda a sua renda com este objetivo. Custando em média 7.815 reais por m², o valor é incompatível com a renda média do alagoano, que é de R$1.600 reais

Os cálculos realizados pela Agência Tatu levam em consideração um imóvel de 50m² na capital alagoana e o comprometimento total da renda mensal de um maceioense, mostrando a discrepância entre os dois valores.

Preço médio de venda do m² por capital do Nordeste

Dados são de imóveis residenciais

Entre as cinco capitais analisadas, que são Maceió (AL), Recife (PE), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB) e Salvador (BA), apenas em Maceió uma pessoa levaria duas décadas para comprar um imóvel. Em Recife, seriam 18 anos, 17 em Fortaleza, 14 em Salvador e 12 anos em João Pessoa, considerando um imóvel de mesmo tamanho.

infogr fico compra de im vel 1 - Com metro quadrado mais caro, maceioense demoraria 20 anos para comprar casa própria

Os valores ressaltam a disparidade no mercado imobiliário do Nordeste, evidenciando a influência dos preços médios por metro quadrado e os rendimentos locais. Somente o bairro da Pajuçara, na capital alagoana, tem o metro quadrado médio mais caro de toda a cidade, chegando a custar em média mais de R$9 mil reais. Apenas o bairro de Meireles, em Fortaleza, tem um valor médio maior.

Jarpa Aramis, mestre em economia e consultor do Sebrae Alagoas, elenca os principais elementos que influenciam na alta do preço dos imóveis. "No caso de Maceió, primeiro levamos em consideração que é uma capital, mas que é relativamente pequena quando você compara com as demais capitais. Então, é possível você ter uma qualidade e um acesso a bens e serviços muito próximos. Ou seja, como a cidade é pequena você consegue se deslocar com facilidade diferente de outros centros urbanos, apesar de ter uma série de problemas, principalmente com o trânsito. Essa facilidade é um dos fatores”.

Além disso, o economista mencionou o afundamento de solo, causado pela extração de sal gema realizada pela mineradora Braskem, que fez com que cinco bairros fossem desocupados quase completamente. Com isso, a demanda aumentou e encareceu o valor dos imóveis. 

“Vamos olhar para um raio de 200 metros, eu tenho um posto de combustível, farmácia, supermercado, clínicas de uma série de ordens. Então, eu tenho tudo que pode atender às minhas necessidades neste raio. Com o problema causado pela Braskem, a gente tem uma migração das pessoas que moravam ali, que foram para a parte baixa [região próximo às praias], e teve uma outra que não tinha condições financeiras para poder migrar para essas regiões que têm maior e melhor infraestrutura”, exemplificou.

Valor do aluguel nas capitais nordestinas

Dentre as capitais do Nordeste que foram analisadas, Recife apresentou o preço médio mais elevado para locação residencial, atingindo 44,2 reais por metro quadrado. As únicas outras cidades que apresentaram valores de aluguel por metro quadrado são Salvador (R$31,4/m²), e Fortaleza (R$26,4/m²). Todas as análises são do mês de junho.

Assim, um morador de Recife que deseje alugar um imóvel residencial de 50 metros quadrados, gastaria em torno de R$2.210 a cada mês. Como a renda média mensal de um pernambucano é de R$1.686, o valor do aluguel representaria um terço a mais que sua renda mensal.

Dados abertos

Prezamos pela transparência, por isso disponibilizamos a base de dados e documentos utilizados na produção desta matéria para consulta:

Encontrou algum erro? Nos informe por aqui.

Recomendado para você

hanseníase no nordeste

Nordeste é a região que menos reduziu casos de hanseníase no Brasil

Dados do Ministério da Saúde mostram redução de 33,1% de casos de hanseníase entre 2013 e 2022
Capa da matéria sobre violência em ambiente escolar.

Combate à violência em ambiente escolar ganha força com nova lei

Legislação surgiu como forma de conter ataques em escolas; 2023 foi o ano com maior quantidade de casos nos últimos 22 anos
pessoas em situação de rua

Nordeste lidera aumento de violência contra pessoas em situação de rua

Somente em AL, mais de 300 pessoas em situação de rua foram mortas nos últimos 11 anos; Segurança Pública de diversos estados não identifica condição de vítimas ou tem dados subnotificados
chuva de granizo no nordeste

Chuva de granizo já surpreendeu 90 municípios do Nordeste em 5 anos

Somente nos últimos 15 dias de 2023, 17 cidades da região vivenciaram o fenômeno